• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
césio 137 Trinta anos depois, mais de mil pessoas ainda têm rotina ligada à acidente radiológico Desde 1987, 95 pessoas que faziam parte do grupo de monitorados morreram, segundo o Centro de Assistência aos Radioacidentados

Por: AE

Publicado em: 13/09/2017 09:06 Atualizado em: 13/09/2017 09:15

'A gente nunca esquecerá%u2019, afirma Ferreira, sobrevivente do acidente com a cápsula radioativa e césio 137, em 1987, que sofre com radiodermatite. Foto: Wildes Barbosa / Estadão
'A gente nunca esquecerá%u2019, afirma Ferreira, sobrevivente do acidente com a cápsula radioativa e césio 137, em 1987, que sofre com radiodermatite. Foto: Wildes Barbosa / Estadão
Em 13 de setembro de 1987, os catadores de lixo Roberto dos Santos e Wagner Mota encontraram nos escombros do que era o Instituto Goiano de Radioterapia uma cápsula com césio 137. Tentaram abri-la, pensando em vender o chumbo e os metais. Foi o que fizeram. No ferro-velho, os funcionários se encantaram com o pó de brilho intenso. Parentes e amigos passaram a visitar o local para ver a descoberta. Quem teve contato direto com a substância adoeceu - e quatro morreram nas semanas seguintes.

Trinta anos depois, o acidente radiológico continua presente para as 1.141 pessoas que ainda hoje são monitoradas, segundo o Centro de Assistência aos Radioacidentados (Cara), da Secretaria de Saúde de Goiás. São pessoas contaminadas por objetos que haviam sido infectados pela substância, que estavam próximos dos focos de césio 137 ou, ainda, que trabalharam no caso, como policiais e bombeiros, profissionais de saúde e garis, além dos filhos e netos.

Desde 1987, 95 pessoas que faziam parte do grupo de monitorados morreram, segundo o Cara. Ainda de acordo com o centro, análises realizadas não encontraram relação entre as causas das mortes e o acidente radioativo. "Após vários estudos com os radioacidentados concluímos que não houve grandes repercussões (em saúde), como casos de câncer, ou seja, não houve mudança no padrão epidemiológico", afirmou o atual secretário de Saúde de Goiás, Leonardo Vilela, que em 1987 era estudante de Medicina. 

Entre os monitorados, 12 mortes tiveram causas externas (arma ou trânsito) e em 11 não foi identificado o motivo. As causas de morte mais recorrentes entre os monitorados foi doença pulmonar (16), no aparelho circulatório (8), septicemia (8) e câncer (6). Outras 16 pessoas desenvolveram diferentes tipos de câncer. Estudo realizado pelo Cara não apontou, porém, relação entre o surgimento das doenças e a radiação.

Não houve registros de doenças genéticas nos filhos e netos relacionadas à radiação, segundo a Secretaria de Saúde. O risco de abortos e más-formações, por exemplo, foi monitorado até 1989 com foco na fase inicial do acidente, quando havia quatro gestantes expostas a doses altas de radiação. "O monitoramento reprodutivo revelou a inexistência de casos de abortamento espontâneo ou más-formações congênitas nas gestações em curso, durante ou imediatamente após o acidente", informou o Cara. 

Na pele e na memória
A herança de dor, temor de doenças, perdas de parentes e amigos e ressentimento "a gente nunca esquecerá", afirma Odesson Alves Ferreira, de 62 anos, que teve contato direto com o césio e traz na mão o sinal da queimadura radioativa, a radiodermatite. 

Motorista de ônibus na época do acidente - e do aplicativo Uber atualmente -, Ferreira lista as perdas: de imediato, morreram a cunhada e a sobrinha; poucos anos depois, dois irmãos e vários amigos. Vítimas "reconhecidas (pelo governo) ou não", conta. Também guarda na memória os dias de isolamento e o período em que as pessoas culpavam umas às outras.

Outra voz que insiste em não deixar cair no esquecimento os problemas é Sueli Lina Moraes, presidente da Associação das Vítimas do Césio 137, com 1,2 mil filiados. Até hoje moradora da região mais afetada, o Setor Aeroporto, ela faz uma caminhada lenta entre as casas do bairro, em busca de relatos de casos de câncer entre os moradores. Alguns conviveram com aparelhos de medição radioativa em casa por mais de dez anos, mas nunca foram entrevistadas sobre o estado de saúde.

Sueli escuta tudo e anota em um mapa manuscrito há 13 anos. "A gente faz o que pode. Se fizeram alguma pesquisa aqui, esqueceram de falar com toda essa gente", ironiza. De vez em quando, encaminha informações à Promotoria do Cidadão, que atuou em favor das vítimas. Fazendo o percurso com Sueli, é possível encontrar outras vítimas não reconhecidas, como a balconista Rosângela da Silva, de 49 anos, que perdeu a mãe, Eurípedes Justina, e a irmã Maria Mercedes, ambas vítimas de câncer. A irmã foi vítima de câncer de pulmão e a mãe, de linfoma.

A casa da família foi interditada na época por causa da contaminação na região. Violada, a cápsula passou pela calçada na rua onde moravam e seguiu para a quadra seguinte, onde o aparelho foi aberto. 

Há 13 anos, o "mapa" de Sueli tinha 18 portadores de algum tipo de câncer, moradores desde 1987 em ruas no entorno da quadra mais atingida. "Hoje temos 22 casos só em duas destas ruas", observa, ciente de que nem todos os tipos da doença têm relação com a radiação. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.