• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
COLEGIADO Magno Malta será o presidente da CPI dos Maus-Tratos a crianças e adolescentes Em discurso no plenário, Malta disse que, além de investigar questões como o abuso e a exploração infantil, a comissão também vai investigar crimes cibernéticos como o jogo Baleia Azul

Por: Agência Estado

Publicado em: 09/08/2017 14:27 Atualizado em:

O senador Magno Malta (PR-ES) foi eleito nesta quarta-feira presidente da CPI que investigará maus-tratos contra crianças e adolescentes. Em maio, Malta foi responsável pela apresentação do requerimento de criação do colegiado, que só foi instalado hoje após reunir a maioria das indicações dos parlamentares. A vice-presidente será a senadora Simone Tebet (PMDB-MS). 

Composta por sete senadores titulares e cinco suplentes, a comissão terá duração de seis meses e orçamento previsto de R$ 600 mil. Além de Malta e Tebet, são membros titulares do colegiado os senadores Marta Suplicy (PMDB-SP), Paulo Rocha (PT-PA), Eduardo Amorim (PSDB-SE), Ana Amélia (PP-RS), Lídice da Mata (PSB-BA) e José Medeiros (PSD-MT). 

Embora o colegiado tenha sido criado em abril, por iniciativa de Malta, só reuniu a maioria das indicações dos partidos há cerca de um mês. Depois disso, aguardava leitura dos membros no plenário pelo presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE). 

Na justificação da proposta, consta que a CPI surgiu a partir de denúncias publicadas na imprensa do Mato Grosso do Sul, da Paraíba e do Distrito Federal, em 2016, de ações e maus-tratos ocorridos com crianças em escolas e creches.

Em discurso no plenário, Malta disse que, além de investigar questões como o abuso e a exploração infantil, a comissão também vai investigar crimes cibernéticos como o jogo Baleia Azul, que teria surgido na Rússia e se disseminado pelas redes sociais nos últimos meses. 

Usando perfis falsos para não serem presos, adultos desafiam crianças e adolescentes a cumprir uma tarefa diária ao longo de 50 dias. A maioria das tarefas envolve automutilação.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.