• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
VATICANO Papa Francisco saúda casal gay de Curitiba por batizar filhos Pontífice disse que, segundo o catecismo, os homossexuais "não devem ser discriminados, mas respeitados e acompanhados no plano pastoral"

Por: AFP - Agence France-Presse

Publicado em: 07/08/2017 21:16 Atualizado em: 07/08/2017 21:22

Flickr/Reprodução (Flickr/Reprodução)
Flickr/Reprodução
Um assessor do papa Francisco cumprimentou em nome do pontífice um casal homossexual de Curitiba pelo batismo católico dos três filhos adotivos, segundo carta enviada pelo Vaticano e publicada nesta segunda-feira por um dos pais.

"O papa Francisco lhes deseja felicidades, invocando para a sua família a abundância das graças divinas, a fim de viverem constante e fielmente a condição de cristãos", diz a carta endereçada a Toni Reis pelo monsenhor Paolo Borgia, assessor da Secretaria de Estado do Vaticano. 

Segundo Reis, que publicou uma foto da carta em sua conta no Facebook, ele e seu esposo, David, enviaram em abril uma carta ao pontífice contando sobre o batismo de seus três filhos, Alyson, Jéssica e Filipe, em uma igreja de Curitiba (sul). 

À espera de uma confirmação, fontes do Vaticano minimizaram a eventual importância da carta, dizendo que Francisco sempre tenta responder positivamente às milhares de cartas similares que recebe diariamente.

"Não esperávamos uma resposta. Receber uma carta do Vaticano com selo, fotografia autografada do papa é a glória!", disse Reis em entrevista por telefone à AFP. 

A carta está datada de 10 de julho, mas a família só a viu na sexta-feira passada, quando voltou de uma viagem de várias semanas pela Europa.

"Significa um grande avanço em uma instituição que queimava os gays durante a inquisição e agora nos manda um ofício cumprimentando nossa família. Estou muito feliz, já posso morrer tranquilo", acrescentou.

Reis, de 53 anos, e o inglês David Harrad, de 59, estão juntos há 27 anos.

Eles puderam oficializar sua união em 2011, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu a "união estável" para casais do mesmo sexo, o que na prática equiparou seus direitos aos dos casais heterossexuais, outorgando-lhes acesso ao casamento, à adoção, à herança e à pensão por morte.

Em 2012, eles adotaram Allyson, um rapaz de 16 anos e em 2014, os irmãos Jéssica (14) e Filipe (11).   

O papa Francisco disse em 2016 que, segundo o catecismo, os homossexuais "não devem ser discriminados, mas respeitados e acompanhados no plano pastoral", repetindo uma fórmula utilizada durante o primeiro ano de seu pontificado, quando surpreendeu o mundo com sua afirmação: "se alguém é gay e busca o Senhor com sinceridade, quem sou eu para julgá-lo?"


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.