• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Segurança Duas pessoas morrem a cada três dias vítimas de arma de fogo no Distrito Federal Levantamento do Samu mostra que os hospitais receberam 276 vítimas em 2016, contra 250 no ano anterior, o aumento é de 10,4%

Por: Otávio Augusto

Publicado em: 14/07/2017 09:25 Atualizado em:

Com base nos casos anotados pelas equipes do Samu, entre 2014 e 2016, 894 necessitaram de socorro de emergência após serem baleados. Foto: Bruno Itan
Com base nos casos anotados pelas equipes do Samu, entre 2014 e 2016, 894 necessitaram de socorro de emergência após serem baleados. Foto: Bruno Itan


Após um ano em queda, os números de vítimas de arma de fogo voltaram a subir no Distrito Federal. No ano passado, os hospitais públicos da capital receberam 276 pessoas com perfuração provocada por tiro. Em 2015, foram 250. Em comparação, o aumento é de 10,4%. As mortes à bala cresceram 5,5% de um ano para o outro, passando de 486 para 513. A discrepância entre internações e óbitos se deve ao fato de a maioria das vítimas de disparo morrerem antes de receber atendimento médico. Os dados foram levantados pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), a pedido do Correio.

A tendência de alta continua em 2017. Só no primeiro quadrimestre do ano — balanço mais recente —, o Samu socorreu 170 pessoas alvos de arma de fogo. O índice representa 61% do total registrado em 2016. De janeiro a abril último, 138 morreram baleados.

Com base nos casos anotados pelas equipes do Samu, entre 2014 e 2016, 894 necessitaram de socorro de emergência após serem baleados. No mesmo período, 1.630 pessoas morreram após serem alvejadas na capital federal. Só no ano passado, foram 513. Isso significa que, a cada um dia e meio, um brasiliense perdeu a vida vítima de arma de fogo. Ou seja, duas vítimas a cada três dias.

A violência permanece assombrando os brasilienses. Ao menos três crimes com armas de fogo ocorreram nas últimas duas semanas, em pontos diferentes do DF. O DJ Yago Sik, 23 anos, morreu com dois tiros após uma festa no Conic. Johangel Sckully Ferreira, 20, foi assassinada com um tiro no rosto, na porta de casa, em São Sebastião. O empresário Lessandro Vilela Borba, 38, não resistiu ao disparo na nuca, no Recanto das Emas.

Familiares de Johangel se reuniram no Cemitério Campo da Esperança, terça-feira, para sepultar a jovem, morta domingo. Valdeci Santos, 52 anos, um agiota conhecido na região, é apontado pelos investigadores como autor do tiro fatal. Ao chegar à casa da vítima, ele a chamou pelo nome e, quando ela abriu o portão, disparou à queima-roupa. Ela morreu na hora. “Essa violência desenfreada tem que acabar. Um parente nosso se tornar alvo de arma de fogo é uma tragédia. Onde estão as autoridades de segurança, cadê a compaixão?”, desabafou uma parente de Johangel, que pediu para não ser identificada.

Desde o crime, pouca é a movimentação na casa onde a jovem morava, na Quadra 11 do Morro Azul, em São Sebastião. “Ainda estamos assustados. Não sabemos direito o que teria motivado essa crueldade”, completou a parente. A família é resistente à entrevista e o contato até mesmo com vizinhos está ligeiro. “Queremos evitar comentários. Estamos com medo”, ponderou a mulher. Johangel deixou uma filha de 5 meses.



Subestimados

Integrante do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de Brasília (UnB), Maria Stela Grossi Porto alerta para a onda de violência. Ela diz haver falhas na falta de combate ao mercado paralelo de armas e na ausência de diálogo, que deu lugar a situações extremas para resolver conflitos. “Já houve pesquisa e estatística suficientes para mostrar esses problemas, que parecem não preocupar as autoridades públicas”, critica a especialista.

Maria Stela diz que o poder público não avançou após a criação do Estatuto do Desarmamento, sancionado há 14 anos. “Esses índices, embora sejam preocupantes, não têm feito com que a sociedade se mobilize ou passe a exigir um maior controle das armas, que o estatuto do desarmamento seja respeitado. Ao lado dessa discussão, temos outra perspectiva, a defesa de algumas autoridades ao uso desregrado de armas de fogo”, comenta.

A Secretaria de Saúde admite a possibilidade de uma subnotificação dos casos. Isso acontece porque, no banco de dados da pasta, o preenchimento de códigos, como para arma de fogo, não é obrigatório no Prontuário Eletrônico. Esse tipo de identificação é secundária ou associada, ressalta a secretaria, por meio de nota. Além da falha nos cadastros da Secretaria de Saúde, a Secretaria de Segurança Pública e o Corpo de Bombeiros não contabilizam os casos.

 A Secretaria de Saúde não soube precisar o custo desses atendimentos e os impactos no orçamento. “As internações em enfermarias e prontos-socorros têm um custo universal, não sendo detalhado por especialidade. Deste modo, não temos o dado filtrado”, alegou, também por meio da assessoria de comunicação.

Armas recolhidas

Ninguém do Executivo local quis dar entrevista. A Secretaria de Segurança informou apenas, por meio de nota, que as polícias retiraram das ruas do DF, nos últimos três anos, 6,6 mil armas de fogo. Neste ano, até junho, os agentes de segurança apreenderam 1.076 armas — 50,8% do total recolhido em 2016, quando houve 2.116 apreensões.

Para saber mais

Números de guerra
Um levantamento das secretarias estadual e municipal de Saúde do Rio de Janeiro mostra que, de janeiro a março deste ano, 1.198 pessoas foram socorridas nos hospitais públicos da capital carioca com esse tipo de ferimento. O número representa 33% dos 3.729 casos de 2016. Em média, são atendidas 13 pessoas baleadas por dia.

O Brasil ocupa a 10ª posição no ranking dos países que mais matam com armas de fogo, de acordo com o Mapa da Violência 2016. Pesquisa da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso) afirma que o país teve 44.861 mortes dessa modalidade em 2014, um pouco mais que os acidentes de trânsito (44.823) e quatro vezes mais que as mortes em decorrência da aids (12.534).


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.