• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Crime Duas pessoas são presas em flagrante durante operação contra pedofilia em SP A operação unificada é coordenada pela unidade de Repressão aos Crimes de Ódio e Pornografia Infantil da Polícia Federal

Por: Agência Brasil

Publicado em: 18/05/2017 11:35 Atualizado em:

As detenções aconteceram durante o cumprimento dos nove mandados de busca e apreensão. Foto: Marcello Jr/Arquivo da Agência Brasil
As detenções aconteceram durante o cumprimento dos nove mandados de busca e apreensão. Foto: Marcello Jr/Arquivo da Agência Brasil


A Polícia Federal  (PF) prendeu na manhã de hoje (18) duas pessoas em flagrante durante a Operação Cabrera, que combate a posse e o compartilhamento de imagens de pornografia infantil. As detenções aconteceram durante o cumprimento dos nove mandados de busca e apreensão expedidos para seis cidades da Grande São Paulo, além da capital paulista.

Ao todo, a operação envolve cerca de 370 agentes para o cumprimento de 93 mandados de busca e apreensão, dois mandados de prisão preventiva e um de condução coercitiva em 17 estados e no Distrito Federal.

A Polícia Federal em Brasília reuniu informações de escritórios estaduais da PF, não diretamente relacionadas entre si, mas que tratam da disseminação de pornografia infantil por meio de redes sociais, e-mail , aplicativos de mensagens e vídeo.

A operação unificada é coordenada pela unidade de Repressão aos Crimes de Ódio e Pornografia Infantil da Polícia Federal (Urcop). O nome da operação refere-se à menina Araceli Cabrera Sánchez Crespo, que aos 8 anos foi sequestrada, violentada e cruelmente assassinada em maio de 1973, em Vitória, no Espírito Santo. Esse crime permanece impune e, em razão do brutal assassinato a data de hoje ficou instituída como o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

Os investigados poderão responder pela prática dos crimes de posse, compartilhamento de arquivos de pornografia infantil, com penas previstas no Estatuto da Criança e do Adolescente e no Código Penal brasileiro de um a seis anos de reclusão.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.