• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Levantamento Lei de Acesso à Informação não alcança os menos assistidos, diz ouvidor-geral Passa de 60% o percentual de solicitantes de informações que têm nível superior, pós-graduação, mestrado ou doutorado

Por: Agência Brasil

Publicado em: 16/05/2017 15:43 Atualizado em:

Em vigor há cinco anos, a Lei de Acesso à Informação (LAI) gerou mais de 480 mil solicitações ao governo federal até 2 de maio deste ano. O perfil de quem faz esses pedidos, mostra que esse instrumento de cidadania ainda está longe de ter o alcance ideal na sociedade, segundo os palestrantes que participaram hoje (16) do seminário "Os cinco anos de vigência da Lei de Acesso à Informação (LAI) – Avanços e Desafios", na Fundação Getúlio Vargas, no Rio. 

Passa de 60% o percentual de solicitantes de informações que têm nível superior, pós-graduação, mestrado ou doutorado. Somente 1% não têm educação formal, e 5% concluíram apenas o nível fundamental. Os dados foram apresentados na Fundação Getúlio Vargas (FGV) pelo superintendente regional da Controladoria Geral da União no Rio de Janeiro, Fabio Valgas. O órgão é vinculado ao Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle. O ouvidor-geral da União, Gilberto Waller, mostrou dados semelhantes e destacou que o problema é um dos maiores obstáculos na construção de um Estado mais transparente.

"Isso demonstra que a Lei de Acesso à Informação não alcança os menos assistidos", disse ele. "Este é um grande problema. É aí que a gente tem que evoluir. Quem tem mais dificuldade é que tem que fazer o pedido, é quem tem que se interessar."

Waller afirma que os dados evidenciam a desigualdade de gênero no acesso à cidadania no Brasil. O levantamento mostra que 54% das solicitações são feitas por homens e 39% por mulheres. "Aqui é uma questão complicada para a gente lidar, que é a questão da participação da mulher no controle social, o poder que ela tem de cobrar e questionar. É uma questão cultural", diz ele. "E por quê, talvez? Porque as políticas públicas são feitas na cabeça de homens e para homens e talvez não tenham conseguido chegar à população feminina."

Cerca de 80% dos pedidos foram feitos por pessoas com mais de 30 anos e, ao longo dos cinco anos em que a lei está em vigor, as solicitações ao governo federal saíram de 89% dos municípios brasileiros, distribuídos em 100% das unidades federativas.

"Além de ser instrumento de combate à corrupção, [a informação] é um direito humano fundamental. Quando a gente não entrega uma informação, estamos violando um direito humano fundamental", disse Waller. "O e-SIC [Sistema Eletrônico do Serviço de Informações ao Cidadão] não pode ser uma instância burocrática que recebe e encaminha para alguém responder. Tem que ser um intérprete. A resposta não pode ser técnica, tem que trazer uma linguagem cidadã."

Fabio Valdas argumentou com a mesma linha de raciocínio que, além de disponibilizar informações, o poder público deve dar ao cidadão acesso a bases de dados que permitam cruzamentos de informações e melhor entendimento sobre o que está sendo oferecido. "O desafio é dar homogeneidade à lei em todas as esferas de poder."

Avanço agridoce

Professor da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas (Ebape/FGV), Gregory Michener afirma que os avanços obtidos com a lei no Brasil têm um gosto agridoce.

"A aplicação e aderência é exemplar a nível federal, mas a nível de outras instituições que devem representar melhor o Estado de direito, como o judiciário e o ministério público, temos um cumprimento muito fraco. E a nível estadual, há muito o que fazer", avaliou o pesquisador, que mapeou que informações sobre o número de solicitações, respostas e recursos referentes à LAI não estão disponíveis em muitas páginas de governos estaduais e órgãos estaduais do poder judiciário.

Os estados levam em média 25 dias para responder às solicitações, enquanto o governo federal, 14 dias. Em uma pesquisa que fez solicitações sobre segurança pública aos estados, o pesquisador concluiu que apenas um em cada seis pedidos resultou em uma resposta precisa ao que foi perguntado. A nível municipal,  um em cada três pedidos foi respondido da forma esperada.

O levantamento permitiu a Michener observar que municípios com maior Índice de Desenvolvimento Humano têm maior probabilidade de dar respostas precisas, e cidades que dispõem do e-SIC também são as que mais atendem às solicitações.

"É imprescindível que toda entidade brasileira tenha um e-SIC", defendeu. 0

Outra recomendação do pesquisador é a proteção da identidade do solicitante, que hoje precisa informar documento de identidade. Ele também defende a criação de órgãos supervisores em todas as esferas de governo, com poder de punir os órgãos públicos que não obtiverem bons desempenhos no cumprimento da LAI.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.