• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Conta Lucro de um mês da Samarco paga multa milionária por tragédia Controlada pela Vale e por uma empresa multinacional, Samarco registrou lucro de R$ 7,6 bilhões em 2014. Valor 21 vezes maior que penalidade de prefeitura

Por: Flávia Ayer -

Publicado em: 13/11/2015 08:31 Atualizado em:

Entre multas e recursos estipulados pela Prefeitura de Mariana para a reconstrução de Bento Rodrigues – distrito devastado pelo rompimento das barragens da Samarco, controlada pela Vale e pela anglo-australiana BHP Billiton, a empresa já tem na conta da tragédia uma dívida de R$ 350 milhões. Apesar de superlativo, o dinheiro é irrisório diante dos números que giram em torno da mineradora e das multinacionais que a comandam. Somente a Samarco lucrou, apenas no ano passado, 21 vezes o valor que terá que pagar pelos danos, com faturamento de R$ 7,6 bilhões. O lucro da empresa em 2014 chegou a R$ 2,8 bilhões. O lucro de um mês é suficiente para pagar a multa de R$ 250 milhões.

Antes do rompimento das barragens, a Samarco, uma das maiores exportadoras do país, estava comemorando a expansão, com a implantação da Quarta Pelotização, projeto de expansão das suas unidades industriais. Com esse projeto, cujo investimento foi de R$ 6,4 bilhões nos últimos quatro anos, a produção da empresa em 2014 alcançou 25 milhões de toneladas de pelotas de minério de ferro e minério fino, 15,4% a mais que no ano anterior.

Em 2015, a mineradora empregou R$ 1,3 bilhão em investimentos em geral, cinco vezes mais que a multa de R$ 250 milhões que será aplicada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) por danos ambientais. Para ter uma ideia, apenas para comprar frota de veículos própria para a Samarco, foram gastos R$ 150,5 milhões. O montante supera os R$ 100 milhões estimados preliminarmente pelo prefeito de Mariana, Duarte Júnior (PPS), para reconstruir duas escolas, 15 pontes, 50 passarelas para travessias de córregos e 250 casas destruídas.

Vale e BHP
A movimentação financeira das empresas que controlam a Samarco também supera e muito a dívida de R$ 350 milhões acumulada até agora com a tragédia. Mesmo em meio à crise econômica do Brasil e com a redução do preço do minério, tanto a Vale quanto a BHP Billiton têm conseguido se manter estáveis. Este ano, a Vale acumulou receita líquida de R$ 62,8 bilhões. No último trimestre, ela foi de R$ 23,3 bilhões, valor 117% em relação ao mesmo trimestre do ano passado. Já a gigante BHP Billiton, maior mineradora do mundo, registrou lucro de US$ 6,4 bilhões de junho de 2014 a junho deste ano. A empresa, que divide com a Vale os capitais da Samarco, estipulou a meta de investimento de US$ 8,5 bilhões até junho do próximo ano.

Gigantes do Minério
Os altos valores da Samarco, da Vale e da BHP Billiton

Samarco
Faturamento bruto (em 2014) - R$ 7,6 bilhões

Investimento (em 2014) - R$ 1,3 bilhão

Lucro líquido (em 2014) - 2,8 bilhões

Patrimônio (em 2014) - 4,3 bilhões

Vale
Receita líquida (em 2015) - R$ 62,8 bilhões

BHP Billiton
Lucro líquido (de junho 2014 a junho 2015) - US$ 6,4 bilhões

Meta de investimentos (até junho/2016) - US$ 8,5 bilhões

A empresa 
Dona de reservas de classe mundial em Mariana, a Samarco está entre as maiores exportadoras do país, com mercado em 19 países. Seu principal produto são as pelotas de ferro, que resultam da transformação de minerais de baixo teor em matéria-prima nobre para a indústria siderúrgica. Fundada em 1977, a empresa é controlada pela multinacional brasileira Vale S/A e o braço nacional da anglo-australiana BHP Billiton, a maior mineradora do mundo.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.