• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Brasília » Família de Jango faz campanha para financiar construção de memorial O terreno que abrigará a obra em homenagem ao ex-presidente João Goulart foi cedido pelo Governo do DF e o projeto, assinado por Oscar Niemeyer

Correio Braziliense

Publicação: 19/08/2014 10:15 Atualização:

Filho do ex-presidente, João Vicente destaca que o principal objetivo do espaço é contar a história de Jango para as futuras gerações. Foto: Antônio Cunha/CB/D.A. Press
Filho do ex-presidente, João Vicente destaca que o principal objetivo do espaço é contar a história de Jango para as futuras gerações. Foto: Antônio Cunha/CB/D.A. Press
Para preservar a história da luta pela democracia no Brasil e contra o regime militar, foi idealizado o Memorial Liberdade e Democracia João Goulart. Com a concessão do terreno em mãos, os organizadores lançam uma campanha de financiamento coletivo a fim de arrecadar recursos para a construção do complexo. A expectativa é arrecadar dinheiro para iniciar a construção ainda este ano, simbólico pelo aniversário dos 50 anos do golpe militar.

Do valor total do projeto — orçado em R$ 15 milhões —, a campanha pretende reunir R$ 40 mil até 11 de outubro. O restante, os organizadores esperam conseguir, uma parte, com os sindicatos de trabalhadores brasileiros. “Eles não poderiam estar fora dessa homenagem ao desenvolvimento social brasileiro e também à luta deles”, comentou o filho do ex-presidente, João Vicente Goulart. A outra parte, o Instituto João Goulart busca levantar por meio da Lei Rouanet. A norma possibilita empresas e cidadãos (pessoas físicas) a aplicarem uma parte do imposto de renda em ações culturais.

Segundo Verônica Fialho, uma das diretoras do instituto, a organização recebia mensagens de apoio ao projeto de pessoas que queriam contribuir para a construção do memorial. “Para fazermos tudo de maneira transparente, buscamos uma empresa de confiança, com conhecimento no assunto e lançamos a campanha para todo o Brasil e para o exterior. Também instituímos uma parcela de R$ 10 para que todos possam participar”, explicou a diretora.

Até o fechamento desta edição, o site contabilizava R$ 590. Para participar do projeto, basta acessar o link www.kickante.com.br/jango e fazer a doação. Quem se interessar e quiser oferecer um valor acima do estabelecido, também tem essa opção. Em troca, os colaboradores receberão camisetas, postais e vídeos como recompensa a esses doadores. Além disso, eles vão produzir um livro com os nomes de todos os apoiadores.

O próximo passo é a elaboração de ações e estratégias para ativar o memorial. “É gratificante ver a realização desse sonho e também um grande desafio ao assumir a luta contra os poderosos como Jango fez”, comentou João Vicente. O projeto é o último desenho do arquiteto Oscar Niemeyer para a capital federal. Os traços se assemelham ao Museu Nacional da República. É composto por uma cúpula oval de 1,7 mil metros quadrados, um salão de exposições e um auditório. Um espelho d’água margeia a estrutura e um dos pontos altos do desenho é uma flecha vermelha que sai da abóboda, com a inscrição 1964 em uma das extremidades. A proposta foi aprovada pelo GDF, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e pelo Instituto Brasília Ambiental (Ibram).

O instituto luta pela criação do espaço dedicado à memória de Jango há mais de uma década. A ideia da família, que comanda a instituição, é contar a história do último presidente eleito antes de o Brasil ser governado por uma ditadura militar. De acordo com Verônica, a organização escolheu Brasília por tratar-se da capital da República e por ele ter sido retirado da cidade e do poder que exercia como presidente. Na cidade natal do ex-presidente, São Borja (RS), existe a Casa Memorial João Goulart, que foi cedida pela família à prefeitura e restaurada. No local, estão pertences, fotos e homenagens a Jango.

O filho do ex-presidente conta que a ideia do memorial surgiu entre 2000 e 2001, mas ganhou forma em 2004, com a criação do instituto. “O objetivo é construir um espaço interativo e relembrar os conceitos de liberdade e democracia, além de contar essa história para as futuras gerações. Não pretendemos criar um mausoléu ou um espaço museológico. O memorial será uma usina de ideias e um espaço de debate para os movimentos sociais”, afirmou João Vicente.

O orçamento total da obra inclui a edificação do edifício principal, de um prédio anexo, que será a sede do Instituto João Goulart, um projeto paisagístico, além de um memorial virtual. O terreno cedido pelo Governo do Distrito Federal (GDF) no ano passado fica no Eixo Monumental, entre a Praça do Cruzeiro e a Igreja Rainha da Paz. A área tem 10.200 metros quadrados. Em contrapartida à concessão, a entidade deve realizar ações culturais em conjunto com a Secretaria de Cultura dentro do Memorial durante 120 dias do ano.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.