• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Minas Gerais » UFMG tem quatro casos suspeitos de atestados médicos falsos Universidade admite que há 4 casos de documentos para justificar falta no trabalho que podem ser irregulares, incluindo o do servidor que levou declaração de"pós-parto com sangramento"

Junia Oliveira -

Publicação: 19/08/2014 10:21 Atualização:

Prédio da reitoria da UFMG: universidade não informa como será conduzida a apuração da suspeita de atestado falso, mas normalmente abre-se processo administrativo para averiguação. Foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A. Press
Prédio da reitoria da UFMG: universidade não informa como será conduzida a apuração da suspeita de atestado falso, mas normalmente abre-se processo administrativo para averiguação. Foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A. Press

A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) vai apurar se servidores da instituição entregaram atestados médicos irregulares para justificar faltas ao trabalho. A instituição informou que há, atualmente, quatro casos suspeitos, todos de trabalhadores do setor técnico-administrativo. Não há participação de professores. Num deles, um homem apresentou documento no qual um “pós-parto com sangramento” seria o motivo da ausência no serviço. Os nomes e os departamentos onde os funcionários atuam não foram revelados.

A UFMG informou que há um departamento específico para cuidar de atestados e, quando detectado falsificação ou dúvida sobre o código médico inserido no documento, é de praxe contatar o médico que emitiu a declaração. Se o profissional relata não conhecer o paciente e ainda ter perdido algum documento ou tido carimbo roubado, orienta a fazer um boletim de ocorrência na polícia. A instituição não soube informar se houve esse procedimento nos quatro casos em apuração nem quantos ocorreram recentemente.

A instituição também não confirma como será conduzida a apuração – normalmente, abre-se processo administrativo e criam-se comissões para avaliar as circunstâncias do ocorrido. Funcionários da instituição ouvidos pela reportagem e que não quiseram se identificar acreditam que, no caso do servidor que apresentou atestado por sangramento, pode ter ocorrido um erro do próprio médico na indicação do código de classificação internacional de doenças (CID).

A Lei 8.112, de 11 de dezembro de 1990, que trata sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, determina penalidades para funcionários que cometem irregularidades. Dependendo da natureza e da gravidade da infração, o servidor pode sofrer advertência, suspensão ou demissão. No caso da suspensão, ela poderá ser convertida em multa – 50% por dia de vencimento ou remuneração –, ficando o servidor obrigado a permanecer em serviço.

OCORRÊNCIAS

O presidente da Associação dos Servidores da UFMG (Assufemg), Márcio Flávio dos Reis, disse não estar a par dos fatos e que nada foi reportado à entidade, que representa mais de 6 mil trabalhadores da federal. “Não fomos informados de nada e, a princípio, esses fatos são novos, a não ser que a universidade esteja os mantendo em sigilo para apurar”, disse.

O Conselho Regional de Medicina (CRM) atende as demandas de empresas ou instituições que desconfiam da origem e legalidade dos atestados, ligando para o profissional que subscreveu o documento. A entidade também orienta os médicos a fazer ocorrência caso suspeitem de ter seus dados sendo usados por terceiros. No caso da UFMG, a assessoria informou que não há registro de demandas da universidade.

A Polícia Federal foi procurada para informar se houve denúncias do caso, mas não respondeu a demanda até o fechamento desta edição.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.