• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Impunidade » Ex-modelo que matou estudante em Montes Claros deveria estar preso desde maio Universitária foi assassinada a facadas dentro de apartamento e ex-namorado confessou o crime. Justiça já havia pedido a prisão preventiva do homem, devido a ameaças que vinha fazendo à vítima. Ela será sepultada hoje em Porteirinha

Luiz Ribeiro

Publicação: 06/08/2014 09:57 Atualização: 06/08/2014 16:19

Sara Teixeira de Souza, de 35 anos, estudava medicina em Montes Claros. Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação
Sara Teixeira de Souza, de 35 anos, estudava medicina em Montes Claros. Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação
O ex-modelo Leandro Dantas de Freitas, de 28 anos, principal suspeito da morte da estudante de medicina Sara Teixeira de Souza, de 35 anos, teve um mandado de prisão preventiva expedido contra ele em maio deste ano devido a ameaças feitas contra a mulher. Entretanto, ele só foi detido ontem, após o ataque fatal. Sara foi esfaqueada na manhã de terça-feira dentro de seu apartamento, no Bairro Ibituruna, região de classe média alta na cidade de Montes Claros, Norte de Minas. Segundo a polícia, Freitas confessou o crime.

Sara e Leandro namoraram durante cerca de seis meses. Em 25 de fevereiro deste ano, dois dias após o término do namoro, a universitária recorreu à Polícia Militar (PM) e registrou um boletim de ocorrência relatando que o rapaz não aceitou o fim do relacionamento e passou a persegui-la. Na ocasião, ela reclamou que, além de ameaçá-la de agressões, o rapaz destruiu seu telefone celular e quebrou alguns vidros do prédio onde morava. Em 27 de fevereiro, novas agressões aconteceram.

Sara foi orientada pelos policiais a adotar medidas de segurança pessoal e tomar providências para o cumprimento das medidas protetivas previstas na Lei Maria da Penha. Ela procurou a Delegacia de Prevenção à Violência contra a Mulher, em Montes Claros, denunciando agressões e ameaças de morte.

O juiz da 1ª Vara Criminal de Montes Claros, Isaías Caldeira Veloso, informa que, após outras medidas protetivas – que não foram suficientes para interromper as ameaças contra vida da estudante de medicina –, em 14 de maio ele decretou a prisão preventiva de Leandro após receber pedido da Delegacia da Mulher com parecer favorável da Promotoria Pública.

Porém, o mandado não foi cumprido a tempo de evitar a morte de Sara. A delegada Karine Maia, responsável pela Delegacia da Mulher de Montes Claros, informou que em 15 de maio os investigadores saíram à procura de Leandro Dantas, que seria funcionário de uma indústria têxtil local e que, atualmente, estaria afastado por causa de envolvimento com drogas. “O rapaz não foi encontrado”, disse a delegada, acrescentando que, por enquanto, não identificou nenhuma falha.

A delegada informou que, desde que a delegacia foi aberta, em março de 2013, foram recebidos 31 mandados de prisão e 22 deles (71%) foram cumpridos, resultado que considera satisfatório.

Leandro Dantas foi preso em rodoviária. Foto: Danilo Evangelista/D.A. Press
Leandro Dantas foi preso em rodoviária. Foto: Danilo Evangelista/D.A. Press

Maisa Rodrigues, defensora pública e coordenadora do Núcleo da Defesa da Mulher de Montes Claros, considera que o caso da universitária é um exemplo de ineficácia das medidas protetivas da Lei Maria da Penha. “A lei é um avanço. Mas, para funcionar mesmo, é preciso reforçar a estrutura de combate, com as delegacias da mulher funcionando 24 horas por dia”, disse.

COMOÇÃO
A universitária Sara Teixeira de Souza era integrante de família tradicional de Porteirinha, Norte de Minas, onde o pai dela, conhecido como Tião do Bazar, é dono de um conhecido comércio de armarinho. Ontem, houve comoção na cidade. O corpo de Sara será sepultado hoje em Porteirinha.

Tocaia no prédio da vítima

Testemunhas informaram que, no amanhecer de ontem, o ex-modelo Leandro Dantas foi para o prédio onde morava sua ex-namorada, Sara Teixeira de Souza. O edifício fica perto das Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros (FIP-MOC), onde ela cursava o oitavo período de medicina. A princípio, Leandro tentou entrar pela porta principal, que estava trancada. Ele ficou no passeio, na lateral. Quando um morador abriu o portão da garagem para sair de carro, o rapaz aproveitou para entrar no prédio.

Armado com uma faca, ele subiu até o quarto andar e arrombou a porta do apartamento de Sara, que estava sozinha. A universitária foi agarrada e morta na sala do apartamento, com oito facadas no pescoço.

O ex-namorado da vítima entrou no prédio às 6h10 e saiu às 6h17. Logo após o crime, o autor tentou fugir,mas foi localizado e preso pela Polícia Militar na rodoviária da cidade. Ao ser preso, Leandro confessou o assassinato da ex-namorada, mas disse que tomou remédio controlado e que agiu fora de si, “de maneira inconsequente”. No entanto, para o delegado de plantão, Bruno Silveira de Faria, o ex-modelo premeditou o crime, já que ele fugiu até a rodoviária com intenção de pegar um ônibus e escapar para outra cidade.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.