• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Abastecimento de São Paulo » Interrupção da vazão de água não é racionamento, diz diretor da Sabesp

Agência Brasil

Publicação: 31/07/2014 20:26 Atualização:

O diretor de Tecnologia e Empreendimentos da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), Edson Pinzan, disse hoje (31) que, quando a Sabesp faz a gestão da vazão e deixa alguns bairros da capital paulista sem água, isso não configura racionamento, que seria o corte definitivo do fornecimento por um período determinado.

“Eu aviso à população que, em um dia da semana, não haverá abastecimento durante aquele dia todo – isso é racionamento, quando eu digo, decreto que a situação é de reacionamento e corto o abastecimento”, explicou Pinzan.

Segundo ele, que representou a presidenta da Sabesp, Dilma Pena, no 25º Encontro Técnico de Saneamento e Meio Ambiente, a interrupção temporária do fornecimento ocorre na maioria das vezes por necessidade de manutenção, mas, neste momento, a maneira como a companhia vem fazendo a gestão da água garante que toda a população seja abastecida o máximo de tempo possível. “Não está no nosso plano fazer racionamento”, reforçou.

Sobre a possibilidade de usar mais água da reserva técnica, Pinzan explicou que a Sabesp está se preparando para isso. “Estamos trabalhando com o futuro, não só com o presente. Se a situação se agravar e não houver no período úmido as chuvas esperadas, temos que estar preparados. Nosso papel é [garantir] o abastecimento de água para o interior de São Paulo e a região metropolitana.”

Pinzan ressaltou que a redução do volume de água no Alto Tietê também preocupa, embora os técnicos da Sabesp já estejam trabalhando para encontrar uma solução, incluindo o uso da reserva técnica.

Ao comentar o relatório enviado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) à Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arcesp), Pinzan esclareceu que, no mês passado, foram cerca de 500 pessoas reclamando, ou seja 14 por dia. “Em uma cidade de 20 milhões de habitantes, é um número pequeno, porém considerável de cidadãos, mas temos que trabalhar isso, porque 0,003% não é uma epidemia.” De acordo com o dirigente da Sabesp, o momento é de uma situação de crise, na qual a compahia tem pedido à população que colabore. “Felizmente está havendo essa colaboração”.

Ele disse que, se o Ministério Público realmente determinar o racionamento, haverá prejuízo para a população. “Já avisamos que a população poderá ficar um dia com água e três, sem, dependendo da altura onde está, devido à pressão da água”.

No dia 26 de junho, o Idec iniciou a campanha "Tô sem Água", que tem a finalidade de mapear as localidades afetadas pela falta d'água. Embora a campanha termine hoje, o Idec enviou, no último dia 29, carta para a Arsesp com dados dos relatos recebidos até segunda-feira (28). Até aquele dia, foram registrados 494 relatos, dos quais 74% informavam sobre falta d'água à noite, 9%, de manhã, 13%, durante o dia e a noite inteiros, e 5% somente à tarde. A frequência da falta d'água ficou distribuída assim: todos os dias, uma vez por dia, 73%; mais de uma vez por semana, 17%; mais de uma vez por dia, 5% ; uma vez por semana, 3%; uma vez por mês, 1%; mais de uma vez por mês, 1%.

De acordo com os relatos recebidos pelo Idec, as regiões mais afetadas com a falta de abastecimento são as zonas oeste (27%), norte (23%), sul (18%), leste (24%) e a região metropolitana de Grande São Paulo (8%). Conforme as informações registradas pelo instituto, 57% dos que fizeram relatos percebem comprometimento na qualidade de água.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.