• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Minas Gerais » Júri de quatro médicos acusados de retirar órgão de criança viva é adiado Ministério Público pediu mudança do julgamento para a comarca de Belo Horizonte, o que gera adiamento de três meses. Juiz acatou a mudança de data e marcou sessão para dia 9 de outubro. Desforamento será apreciado pelo TJMG

Luana Cruz -

Publicação: 31/07/2014 10:26 Atualização:

O julgamento dos médicos acusados de matar e remover os órgãos do garoto Paulo Veronesi Pavesi, de 10 anos, foi adiado na manhã desta quinta-feira. O júri aconteceria em Poços de Caldas, Sul de Minas, e estariam no banco dos réus o nefrologista Álvaro Ianhez, o anestesiologista Marco Alexandre Pacheco da Fonseca, o intensivista José Luiz Bonfitto e o neurocirurgião José Luiz Gomes da Silva. No entanto, o promotor Franscico Santiago pediu o desforamento do processo, ou seja, a transferência do júri para Belo Horizonte, além do adiamento por três meses.

O juiz Narciso Alvarenga Monteiro de Castro acatou o pedido e marcou o julgamento para dia 9 de outubro. O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) agora vai apreciar a mudança de comarca do processo.

O promotor argumentou que comunicados da classe médica na imprensa local fizeram um bombardeio sobre o júri. Assim, os jurados poderiam ser influenciados ou ameaçados. Ele acrescentou que os jurados não dispõem de proteção. O desforamento só poder ser feitio para BH, pois Poços de Caldas é a maior comarca da região. O magistrado analisou a solicitação e disse que se o MP não pedisse a transferência, ele mesmo o faria reconhecendo a necessidade de mudança do júri. Assim, Narciso Alvarenga encerrou a sessão, dispensando réus e testemunhas.

Na denúncia consta que os quatro médicos usaram uma central de transplantes clandestina para retirar rins e córneas do menino antes que tivesse ocorrido sua morte encefálica. Eles respondem por homicídio qualificado e remoção de órgãos em desacordo com a Lei de Transplantes.

Sobre esse mesmo caso, já estão condenados os médicos Celso Roberto Frasson Scafi, Cláudio Rogério Carneiro Fernandes e o anestesista Sérgio Poli Gaspar. Eles tiveram o benefício de responder em liberdade, por meio de um habeas corpus, e deixaram a cadeia em maio deste ano. O juiz Narciso de Castro condenou os três respectivamente a 18, 17 e 14 anos de prisão em fevereiro de 2013, pela morte do garoto que ocorreu em 2000. 

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.