• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Sexualidade » Idosos costumam sofrer menos para se assumirem gays, dizem estudos A postura, porém, esbarra no senso comum de que os desejos desaparecem na terceira idade

Bruna Sensêve - Diarios Associados

Publicação: 29/07/2014 09:28 Atualização:

Arte/Correio Braziliense
Arte/Correio Braziliense

Ele se casou três vezes e teve três filhos. Aos 59 anos, resolveu dizer ao mundo que é bissexual e que prefere usar adereços e trajes femininos. O cartunista Laerte Coutinho, de Piratas do Tietê, assumiu uma nova faceta da sexualidade no começo do processo de envelhecimento. Afirma que a orientação sexual e a identidade de gênero são fatos independentes, embora relacionados. “Sempre soube do meu desejo por homens — foi como comecei minha vida sexual. Mas, poucos anos depois, fugi dele, vivendo décadas na tentativa de me convencer de que era heterossexual”, conta. Ele acredita que o fato de essa decisão ter acontecido nesse estágio da vida facilitou bastante algumas situações. “Por ser uma pessoa com vida profissional sólida, filhos crescidos, relações sociais cultivadas, não tive as dificuldades enormes que a maior parte da população trans enfrenta desde a infância e a adolescência.”

A situação vivida por Laerte é mais comum do que se imagina. Para a coordenadora do Programa de Estudos em Sexualidade da Universidade de São Paulo, Carmita Abdo, muitos homossexuais passam a vida evitando ou mesmo censurando a atração pelo mesmo sexo e optando por um relacionamento heterossexual. “À medida que começa a haver uma abertura, a homossexualidade começa a ser tratada de uma forma menos discriminatória.” O envelhecimento seria ainda mais favorável para esse “repensar” por se tratar de um momento em que as pessoas, independentemente da sexualidade, também têm a oportunidade de rever a vida.

“Eu não sinto que envelhecer tem a ver com homossexualidade, envelhecer é uma condição de vida independentemente de com quem você transa. Eu não sigo o que é condição social, pelo contrário, sou completamente contestadora de todas essas imposições e regras medíocres impostas. Posso amanhã envelhecer com um velhinho (homem)”, diz Valentina*, 57 anos. O relato foi colhido por Tânia Gonçalves em um trabalho de mestrado orientado pela professora da pós-graduação em gerontologia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP) Elisabeth Mercadante. A aluna entrevistou 10 mulheres homossexuais em meia-idade, entre 40 e 59 anos, que contaram seus medos e suas angústias acerca da proximidade da velhice.

Poucos depoimentos relacionam uma maior dificuldade no envelhecimento devido à orientação sexual. “A homossexualidade de mulheres idosas não é tão visível quanto em pessoas do sexo masculino. Diria até que é algo desconhecido”, resume Mercadante. Ela considera que, culturalmente, o homem tem mais espaço para manifestar suas escolhas sexuais e isso fica ainda mais restrito com o avançar dos anos. No entanto, curiosamente, elas têm demonstrado uma maior tranquilidade no envelhecimento que as heterossexuais. Isso porque sofrem menos com problemas ligados à menopausa e à sexualidade. Os casais formados apenas por mulheres tendem a ter uma idade aproximada. Dessa forma, as mudanças hormonais e de abrandamento do ritmo sexual acontecem para ambas, criando uma compatibilidade de interesses.

Os homens, por outro lado, permanecem ativos durante um período mais longo e passam por um processo oposto. “Eles acabam se ressentindo da maior dificuldade em encontrar parceiros interessados neles se ainda não estabeleceram um vínculo duradouro, um parceiro estável”, define Abdo. O que a especialista diz perceber de contrastante entre os homens de diferentes orientações sexuais é o cuidado com a saúde e o corpo por parte dos homossexuais — o que é geralmente negligenciado por heterossexuais tem espaço reservado no dia a dia do outro grupo. “Eles praticam mais esportes, buscam uma alimentação balanceada e mais tempo para cuidar de si. O contrário acontece com as mulheres homo, pois têm maior incidência de câncer de mama, questões relacionadas ao fumo e dieta pouco cuidadosa.”

Abdo reforça, porém, que todo o quadro descrito tende a mudar à medida que a homossexualidade for mais inserida ao contexto social geral. Segundo ela, a imagem que a sociedade constrói de uma pessoa mais velha hoje está ainda em maior conformidade com o que era esperado décadas atrás. “Em primeiro lugar, que o velho é assexuado, sendo o desejo existe o tempo todo na vida das pessoas.” Tentando quebrar esses estereótipos, a próxima novela das 21h da rede Globo trará o primeiro casal lésbico octogenário, formado pelas atrizes Fernanda Montenegro e Nathalia Timberg. Juntas há muito tempo, elas decidirão se beneficiar da lei que permite a união de casais homoafetivos.

Diante dos dramas da vida real e da ficção, Mercadante reforça que a velhice é heterogênea e que as diferenças precisam ser respeitadas. “Não podemos partir do princípio de uma homogeneidade e dizer que todos os idosos são de uma determinada forma. Não existe um modelo real, ele está apenas na nossa cabeça e nos guiamos por ele mediados pela nossa cultura.”

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.