• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Possível favorecimento » Deputada diz que carona a ativista no Rio de Janeiro não foi fuga Polícia Civil vê "crime de favorecimento", porque há mandado de prisão contra a mulher, que teve o pedido de asilo político negado pelo país vizinho

Ana Pompeu - Correio Braziliense

Publicação: 23/07/2014 07:52 Atualização:

Os desdobramentos do caso dos ativistas condenados por atos violentos em manifestações envolvem agora uma deputada estadual do Rio de Janeiro e podem chegar à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CDH), da Organização dos Estados Americanos (OEA). A parlamentar Janira Rocha (PSol) foi acusada de favorecimento por ter dado carona à advogada Eloisa Samy, 45 anos, na saída do Consulado-geral do Uruguai, na Zona Sul da cidade. Eloisa integra a lista dos 23 condenados depois de denúncia do Ministério Público de planejar e participar de protestos violentos na capital fluminense. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) acompanha o caso e deve recorrer ao organismo internacional, alegando “violações de direitos humanos e de garantias constitucionais” no inquérito contra o grupo de manifestantes.

A deputada estadual acompanhava o caso desde o momento em que o pedido de asilo político foi feito na representação diplomática por Eloisa, Davi Paixão e Camila Nascimento, eles alegaram estar sofrendo perseguição pelo estado do Rio. No início da noite da última segunda-feira, ela informou à imprensa que a solicitação fora negada. Depois da resposta negativa, ela deu carona à advogada. “No desespero da advogada que não conseguiu asilo, ela me pediu para levá-la até São Conrado (bairro do Rio), onde desceu e pegou um táxi para encontrar a família”, disse Janira. Eloisa e outras 17 pessoas são consideradas foragidas desde sexta, quando a Justiça do Rio aceitou denúncia contra ela e outros 22 réus acusados de se associarem para a prática de crimes em protestos, incluindo depredações e agressões a policiais.

A saída do consulado, no entanto, foi considerada um delito pela Polícia Civil. A corporação informou, por meio da assessoria de imprensa, que tomou as medidas consideradas cabíveis. “Com base nas declarações da deputada estadual Janira Rocha, a 10ª DP (Botafogo) notificou a presidência da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) e o Tribunal de Justiça sobre o crime de favorecimento pessoal (Artigo 348 do Código Penal), que teria sido cometido pela parlamentar”, disse a nota.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.