• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Minas Gerais » Médico constrói castelo em Sabará para realizar fantasia de infância A residência em estilo medieval tem com fosso, muralha e torres. Médico não esqueceu comodidades como piscinas e hidromassagem

Pedro Ferreira -

Publicação: 22/07/2014 09:23 Atualização:

Foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A. Press
Foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A. Press

Um castelo em construção surpreende quem passa pela Rua Costa Rodrigues, no Bairro Vila Esperança, em Sabará, cidade histórica da Região Metropolitana de Belo Horizonte, a 19 quilômetros da capital. Pessoas não resistem à curiosidade e pedem para conhecer o interior do imóvel, mas o dono, o médico Lívio Anastásio Ferreira Filho, de 67 anos, não deixa ninguém passar do pátio, a não ser a família.


Lívio conta que o sonho de morar em castelo vem da infância, quando dava asas à imaginação e “viajava” para os tempos da Idade Média lendo histórias em quadrinhos e vendo desenhos animados no cinema. Já são 10 anos de construção e o médico promete surpresa para o fim do ano, quando espera abrir a casa para os curiosos. “O que quero mesmo é impressionar, deixar todos boquiabertos.”


Quem mais curte o castelo é a neta dele, Alice, de 6, que se sente uma verdadeira princesa. Em um dos aniversários, ela subiu em uma das 11 torres e jogou uma gigantesca trança feita com cordas, imitando Rapunzel, personagem criada na Alemanha pelos irmãos Grimm e publicada pela primeira vez em 1812.

O médico faz tudo no castelo nas folgas do trabalho. O filho, de 30, conhecedor de hidráulica e eletricidade, o ajuda quando pode. Para fazer o portão, que é acionado por um sistema automático, ele mandou trazer a madeira do Pará. “O portão será uma rampa, que descerá sobre um fosso construído para criar traíras. Os carros passarão sobre a rampa para entrar na garagem.”

Os arcos das portas foram feitos por um ferreiro de Governador Valadares, no Vale do Rio Doce. As pedras que revestem o castelo foram extraídas em Diamantina (Alto Jequitinhonha), em Piumhi (Sul de Minas) e em Três Marias (Região Central do estado). “Não há nada que tenha sido pintado. Todo o teto é feito em ipê e não levou prego ou parafuso. É tudo encaixado.” Os móveis também são feitos sob encomenda. São 16 cadeiras almofadadas, com encosto alto, tudo em jacarandá.

Lívio conta que somente o quarto dele tem 240 metros quadrados. A sala, 125 metros quadrados. São oito banheiros. No terraço, há duas piscinas, uma delas aquecida, e uma banheira de hidromassagem, na qual ele e a mulher nadam à vontade, sem vizinhos a espioná-los. Por uma abertura na parede, eles observam da piscina a movimentação no pátio, lá embaixo, onde há outra piscina para as visitas, já que elas não podem entrar no castelo.

O que mais impressiona na construção, segundo o médico, é o sistema de ventilação, criado por ele mesmo. “Comprei o terreno no topo de uma montanha e recebo vento de todos os lados. Há janelas giratórias e é possível receber ar mais fresco vindo dos fundos do castelo e um ar mais quente vindo da praça. Se você joga um pedaço de papel dentro do castelo, ele fica girando por até três dias. Um verdadeiro turbilhão.”

A mulher dele, a enfermeira Sônia Jane Siman Pinto, de 59, conta que estão casados há 34 anos e que o marido sempre sonhou com o castelo. Ela diz se sentir uma rainha, mesmo porque é assim que é tratada pelos amigos mais próximos, que são muitos. “Já demos festa para 700 pessoas, mas todas ficam só no pátio.” Eles pensam em uma festa temática para a inauguração: ele de rei, ela de rainha e a neta de princesa.

Para vizinhos, o médico é um exagerado, mas todos querem saber como é o imóvel por dentro. O historiador Célio Macedo, de 53, mora perto e diz que não trocaria sua casa pelo castelo. Para ele, a construção destoa das outras residências da rua. “Não conheço e nem sei quem é esse médico, apesar de morar ao lado. Jamais faria um castelo. Gosto mais da minha casa, que é bem simples. Também não é bom tanta ostentação nos dias de hoje.” O médico rebate: “Não troco o castelo por nada neste mundo. Nem se alguém me oferecer uma viagem.”

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.