• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Lazer » Drones pilotados por controle remoto conquistam fãs e invadem o céu do DF Seja para o lazer, seja para o trabalho, os equipamentos fazem sucesso, apesar de a Agência Nacional de Aviação Civil não haver regulamentado o uso deles no país

Correio Braziliense

Publicação: 22/07/2014 09:17 Atualização:

Carlos e Luis usam os equipamentos em momentos de lazer e também como fonte de renda: brinquedo de gente grande. Fotos: Breno Fortes/CB/D.A. Press
Carlos e Luis usam os equipamentos em momentos de lazer e também como fonte de renda: brinquedo de gente grande. Fotos: Breno Fortes/CB/D.A. Press
O brasiliense conquistou o céu com aeronaves pilotadas por controle remoto. Repletos de pequenas hélices, os drones — veículo aéreo não tripulado (Vant), em português — viraram febre entre fãs de aeromodelismo e chamaram a atenção de empreendedores que trabalham com filmagens. As aplicações do equipamento são inúmeras. Para quem quer se divertir, por exemplo, um óculos chamado Fat Shark transmite as imagens do voo para o piloto em terra. Além disso, a pequena máquina voadora pode substituir gruas e helicópteros para capturar imagens de monumentos, prédios ou até de terrenos ou cenários naturais.

Embora cada vez mais populares, a Agência Nacional de Aviação Civil ainda não desenvolveu regras para o uso dos drones. A expectativa é de que, até o fim deste ano, exista regulamentação para utilização do equipamento. Por enquanto, o órgão analisa, caso a caso, os requerimentos de uso das máquinas. Não existe restrição para adquirir o material, mas a agência já possui um conjunto de normas de voos experimentais para veículos aéreos não tripulados. Somente sete aeronaves, no entanto, estão registradas no órgão: duas da Polícia Militar Ambiental de São Paulo; uma do Departamento Nacional de Produção Mineral; duas da Xmobots, empresa que fabrica e opera os aparelhos, e duas da Polícia Federal. Também é necessário obter autorização do Departamento de Controle do Espaço Aéreo.

O equipamento pode atingir altitude elevada: regras de segurança
O equipamento pode atingir altitude elevada: regras de segurança
O empresário Carlos Moreira viu, no próprio drone, a possibilidade de lazer e trabalho. Ele montou o próprio equipamento, conversa com fãs de aeromodelismo, encontra amigos que também se interessam pelo que chama de “brinquedo de gente grande”, mas também fundou uma empresa, a Drone Brasília, que faz imagens aéreas com o equipamento. Ele comprou a primeira aeronave, montou a segunda e, com partes dela e novas peças, fez a terceira. Já investiu cerca de R$ 14 mil em peças e aparatos como telas e óculos. “Eu criei uma empresa de investimentos inteligentes. Consegui um trabalho de filmagem, mas ainda não tinha a máquina”, conta.

 

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.