• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Brasília » Mané Garrincha vai receber, no sábado, a despedida da Seleção Brasileira Decepção, raiva, tristeza e patriotismo. Uma mistura de sentimentos tomou conta dos torcedores brasilienses que sonharam com o hexa e vão receber, no próximo sábado, a Seleção para a disputa do terceiro lugar no Mundial

Correio Braziliense

Publicação: 09/07/2014 10:19 Atualização:

Moradora de Taguatinga, Talina Simões preparou-se especialmente para ver o jogo da Seleção Brasileira: choro solto após o vexame. Foto: Ed Alves/CB/D.A. Press
Moradora de Taguatinga, Talina Simões preparou-se especialmente para ver o jogo da Seleção Brasileira: choro solto após o vexame. Foto: Ed Alves/CB/D.A. Press

Quando o avião da Seleção Brasileira pousar na capital federal trará a bordo a dor de um país inteiro. Será no gramado do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha a despedida da Seleção pentacampeão da Copa Mundo realizada no Brasil. A cidade não estava preparada para um momento tão deprimente. Perplexos com o maior vexame da história do futebol nacional, brasilenses que compraram ingressos para a disputa do terceiro lugar, no sábado, ainda não acusaram o golpe. Fica a pergunta de como se comportará o fã: se venderá os ingressos, usará as arquibancadas para vaiar ou vai incentivar o time, apesar de tudo?

Há 14 dias, o clima na cidade outro. Embalada, a Seleção aplicou a sua maior goleada na competição, 4 x 1 sobre Camarões. Naquela partida, quase 70 mil pessoas compareceram ao Mané Garrincha, o maior público da arena. De braços abertos na primeira passagem do time verde e amarelo, desta vez, o comportamento do público será imprevisível.

A ressaca moral de quem assistiu ao vexame vai demorar a passar. Nas festas, bares e clubes, a esperança do hexa acabou frustrada em apenas 28 minutos e cinco gols da Alemanha. A publicitária Naiana Pessoa, 26 anos, era uma das mais decepcionadas. Em um evento na orla do Lago Paranoá, ela chorava mais a cada gol que o Brasil tomava. Naiana tem ingresso para o jogo de sábado, mas após a derrota, não pretende ir ao estádio. “Não quero mais ver esse time em campo”, declarou.

Já o empresário Guilherme Madruga, 24, não pretende se desfazer do bilhete, mas não extamente por admiração ao time. “Não adianta mais negociar meu ingresso. Agora, ele deve estar desvalorizado. Para qualquer brasileiro, só importa o título. Um eventual terceiro lugar não mudaria nada”, lamentou.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.