• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Tragédia em BH » Emocionados, parentes e amigos se despedem da motorista de ônibus morta na tragédia

Estado de Minas

Publicação: 05/07/2014 10:37 Atualização:

Vítima do desabamento do Viaduto Batalha dos Guararapes, na tarde de quinta-feira, Hanna havia telefonado, poucos minutos antes do acidente, para pedir a bênção ao pai. “Eu disse: ‘Deus te abençoe, minha filha’. Ali, nos despedimos”, lamentou José Antônio durante o velório da motorista, cujo corpo foi enterro ontem à tarde no Cemitério Bosque da Esperança, na Região Norte da capital. No momento do telefonema, ele estava em Florestal.

José é exemplo para todos os filhos. Mesmo contra a sua vontade, eles decidiram seguir a carreira de motorista. Desde 2001, o pai dirigia o suplementar que ficou sob o viaduto, mas teve de abandonar a profissão, há cinco anos, por causa de um câncer na garganta. Hanna dividia com o irmão, Tiago, de 28, o volante do micro-ônibus pertencente à família. “Era excelente motorista, elogiada por todos”, orgulha-se José Antônio, convicto de que sua “menina”, como a chama, não bateu no viaduto. “Tiraram a vida da minha filha”, desabafou ele.

Com base no que ouviu de testemunhas, José diz que Hanna havia dado preferência ao BRT/Move que seguia pela pista mista da Pedro I e, por alguns segundos, escapou do acidente. “Além de salvar a vida da minha esposa, Débora Nunes, cobradora do suplementar, ela salvou a vida de muita gente, inclusive da própria filha, que estava no capô do veículo. Em um reflexo, a mãe a afastou da cabine. Hanna é a nossa heroína”, afirmou Tiago. De acordo com ele, a tragédia foi algo “encomendado para acontecer”.

Ana Clara

Durante o velório, o clima era de revolta e tristeza. A filha da motorista, Ana Clara, de 5, foi levada ao cemitério por parentes. A Secretaria de Estado de Saúde informou que a menina deu entrada no Hospital Risoleta Neves apresentando um hematoma no lado esquerdo da cabeça, cefaleia e perda de consciência. Depois de passar por exames, permaneceu em observação e recebeu alta na manhã de ontem.

Uma psicóloga do hospital deu a notícia à menina. Ela acha que a mãe virou uma estrelinha no céu. A criança contou a familiares que, na hora do acidente, Hanna a mandou correr para a parte de trás do micro-ônibus.

Quando chegou ao Bosque da Esperança, Ana Clara foi para o colo do avô, que lhe perguntou se queria “ver a mamãe”. Ela concordou, mas, ao se aproximar do caixão, evitou observar o corpo e pediu para sair. “Hanna e a minha neta eram muito ligadas, esse vai ser o nosso maior problema agora”, desabafou José.

Um clássico de Roberto Carlos marcou a despedida de Hanna. Enquanto o enterro seguia pelo Bosque da Esperança, familiares e amigos cantavam “Eu tenho tanto/ pra lhe falar/ Mas com palavras/ Não sei dizer/ Como é grande o meu amor/ por você”. Às 17h15, o caixão deixou o velório 2, acompanhado por muitas pessoas. O clima era de desolação total.

A irmã de Hanna, Priscila dos Santos, se sentiu mal no momento da despedida e foi carregada para o gramado. “Liguei para o Samu e pedi um suporte. Eles me disseram que tinha de esperar passar mal primeiro. Veja se tem cabimento isso”, reclamou José Raimundo Rocha, parente da motorista. Os pais de Hanna acompanharam o sepultamento à distância. Ana Clara permaneceu no cemitério até o fim da cerimônia.

Alegre e amiga

Amigos e parentes dizem que Hanna Cristina era guerreira, festeira, vaidosa, alegre e amiga. Ela chegou a combinar com amigos ir ontem à Fan Fest da Copa, no Expominas. A festa foi cancelada por causa da tragédia da Pedro I. Na adolescência, ela e amigas faziam parte de uma banda de axé, que chegou a se apresentar no interior. Com a gravidez, ela se dedicou integralmente ao trabalho como motorista.

“Apaixonada pela vida, ela gostava de dançar e viajar. Era muito alegre e trabalhadora, deixava de sair para cumprir seus compromissos com o transporte”, comentou, emocionada, Mariane Vilar dos Reis, de 24, amiga da motorista. Cláudio André dos Santos, tio de Hanna, contou que um dos sonhos da sobrinha era comprar móveis para o quarto da filha. “Ela estava juntando dinheiro para isso”, revelou.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.