• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

São Paulo » PM usa bombas de efeito moral e cassetetes para dispersar manifestação no metrô

Agência Brasil

Publicação: 12/06/2014 15:59 Atualização:

A Polícia Militar (PM) usou bombas de efeito moral e cassetete para tentar dispersar os manifestantes que estão na Estação Tatuapé do metrô, em São Paulo, para protestar contra a realização da Copa do Mundo. A Tropa de Choque chegou por volta das 15h30 e retirou todas as pessoas que estavam na estação, inclusive a imprensa. O acesso ao metrô e à estação da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) foi fechado pela Força Tática da PM. Manifestantes tentaram forçar a grade de entrada da estação do trem.

Turistas brasileiros e estrangeiros estão perdidos em meio ao tumulto e à confusão que tomaram conta do local. Funcionários do shopping, cuja entrada é a mesma do metrô, não conseguiram pegar o transporte para assistir ao jogo em outro local. A estação Tatuapé faz parte da Linha Vermelha do Metrô, que é um dos principais meios de transporte para chegar à Arena Corinthians, que recebe o jogo de abertura do Mundial, às 17h.

O ato Sem Direitos Não Vai Ter Copa, marcado pelas redes sociais, teve início por volta das 10h, com concentração na Estação Carrão. Durante a manhã, a PM usou bombas de gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes que tentavam bloquear pistas próximas ao Itaquerão.

Na ação policial, duas jornalistas da CNN ficaram feridas. A repórter Shasta Darlington sofreu um pequeno corte no braço e a produtora Barbara Arvanitidis foi atingida no pulso.

Quatro pessoas foram detidas e encaminhadas à delegacia sob a acusação de depredar a estação, segundo a PM. A Secretaria de Segurança Pública informou que só irá divulgar um balanço das detenções após o jogo.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.