• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Caso Eliza Samudio » Ministério Público é contrário ao trabalho externo do goleiro Bruno Parecer desfavorável emitido pela Vara de Execução Penal de Contagem já foi encaminhado à Justiça

Cristiane Silva

Estado de Minas

Publicação: 12/06/2014 13:09 Atualização:

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) emitiu parecer desfavorável ao trabalho externo do goleiro Bruno Fernandes das Dores de Souza, condenado a 22 anos de prisão pela morte da ex-amante Eliza Samudio.

A assessoria de imprensa do MP informou que o parecer foi emitido há três semanas pela promotora Betânia Cabral, da Vara de Execução Execução Penal de Contagem, cidade onde corre o processo e onde o goleiro cumpre pena. A promotora esclareceu que somente presos do semi-aberto têm direito ao trabalho externo. Quando o detento está em regime fechado, a saída para o trabalho só é permitida para atuar em alguma obra pública, por exemplo, e sob escolta. O parecer já foi encaminhado à Justiça.

A defesa de Bruno já havia feito o pedido para a saída temporária no início deste ano. Nesta semana, ele conseguiu a transferência de Contagem para a Penitenciária de Segurança Máxima de Francisco Sá, no Norte de Minas Gerais. A autorização foi publicada no Diário Oficial de Minas Gerais no dia 10 de junho, exatamente quatro anos após o crime, segundo o processo.

Tiago Lenoir, um dos advogados do goleiro, se mostrou contrário ao parecer da promotora Betânia Cabral. A defesa sempre afirmou que o trabalho externo para o goleiro é possível, segundo a legislação. Com a transferência de Bruno pra Francisco Sá, o processo passa àquela comarca e os advogados devem fazer um novo pedido de autorização para o trabalho na cidade. 

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.