• (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Paixão nacional » Copa do Mundo: quem são os brasileiros que não torcem pela Seleção

AFP - Agence France-Presse

Publicação: 08/06/2014 08:21 Atualização:

Homens jogam futebol nas areias da praia de Copacabana, no Rio de Janeiro. Foto: Gabriel Bouys/AFP Photo
Homens jogam futebol nas areias da praia de Copacabana, no Rio de Janeiro. Foto: Gabriel Bouys/AFP Photo

No país onde o futebol é "paixão nacional", alguns brasileiros sonham em fugir para o exterior durante a Copa do Mundo e alguns chegam até a torcer por um fracasso da Seleção.

É o caso do contador carioca Marcus Toledo, 42 anos. Ele engrossa o coro dos que detestariam ver o capitão da Seleção, Thiago Silva, segurar a taça da Copa no próximo 13 de julho, quando o Maracanã será palco da final.

Com a ajuda de vários amigos que sentem o mesmo que ele, organizou um evento de boicote ao time de Luiz Felipe Scolari: em dia de jogo do Brasil, torcida organizada para o time adversário.

"Como sou louco por futebol, me sinto traído por essa Copa que só ricos e privilegiados poderão assistir", desabafa o carioca de 42 anos.

"Sem nenhum remorso, espero que a derrota na Copa e o fracasso na organização do evento sirvam como lição sobre quais são as nossas prioridades por aqui", admitiu Marcus.

"A herança da Copa é uma população insatisfeita com o governo e os governantes, e muito dinheiro no bolso de quem participou das obras", avalia o aposentado João Carlos de Lima, 64 anos, após um longo suspiro. João reflete mais um pouco, e confessa: "Eu quero mesmo é que o Brasil nem chegue às quartas de final, que é pra não ter festa nenhuma".

Apaixonado pelo Flamengo, não torcer pela Seleção foi a forma que Lima encontrou para extravasar seu descontentamento com o governo da presidente Dilma Rousseff.

"É que a gente sabe que vitória do Brasil em Copa, em pleno ano eleitoral, é uma grande ajuda para quem está no poder", argumenta.

A presidente, porém, parece não acreditar que seu destino político esteja ligado à vitória do Brasil na Copa.

"Não acho que a Copa vai decidir minha eleição. Não vai me ajudar nem me prejudicar. O Brasil pode ser campeão e eu perder a eleição, o Brasil pode perder a Copa e eu ser reeleita", disse Rousseff em meados de abril.

Favorita às eleições do próximo 5 de outubro, Rousseff passou de 37% das intenções de voto em maio para 34% em junho, segundo a última pesquisa Datafolha. Seu maior rival, Aécio Neves (PSDB), também caiu de 20% para 19%, enquanto aumentaram os indecisos e os votos em branco.

Fugir do Brasil
Estádio do Maracanã se ilumina com as cores da camisa da Seleção. Foto: Yasuyoshi Chiba/AFP Photo
Estádio do Maracanã se ilumina com as cores da camisa da Seleção. Foto: Yasuyoshi Chiba/AFP Photo

Depois de ficar presa no trabalho por causa de uma manifestação contra a Copa do Mundo em junho de 2013, no centro do Rio de Janeiro, a advogada carioca Cecília Menezes Castro decidiu quando e onde iria passar as próximas férias: entre os dias 12 de junho e 13 de julho ela e o marido estarão nos Estados Unidos, fugindo do Mundial.

Enquanto cerca de 600 mil turistas estrangeiros e 800 mil brasileiros circularão pelo Brasil durante a Copa do Mundo - segundo as cifras da Embratur - existe um grupo que, assim como Cecília, quer estar bem longe da movimentação dos jogos.

"Eu sabia que não iria aguentar estar aqui durante a Copa", explica à AFP Cecília, enumerando o trânsito e as manifestações como principais motivos para sua fuga.

Algumas agências de viagem até estão oferecendo pacotes promocionais para fugir durante a Copa, e Castro aproveitou uma destas oportunidades.

A operadora Hotel Urbano, por exemplo, disse à AFP ter notado um aumento de 20%, em relação ao ano passado, na procura por pacotes de viagem e hospedagens com check-in entre os dias 12 de junho e 13 de julho para municípios num raio de até 300 km das cidades-sede.

Assim como Cecília, foi a vontade de evitar transtornos que levou a psicanalista Anna Beatriz Medici, 37 anos, a fugir - ainda que temporariamente - da Copa. Com viagem estrategicamente marcada para o dia 10 de junho, ela passará 20 dias na Itália, na companhia da mãe. "Marquei dois dias antes do início do evento prevendo o caos no aeroporto", conta Anna à AFP.

Louca por futebol, Anna não perde uma partida de seu time, Fluminense, e é frequentadora assídua do Maracanã. Lá da Itália, ela pretende acompanhar os jogos e entrar para a torcida com os italianos.

"É claro que vou torcer pelo Brasil, mas acho que vai ser uma experiência interessante fazer isso longe de casa", diz Anna, que lamenta a falta de seriedade com que a organização da Copa foi tratada.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: zé carlos araújo
Mizael Ramalho, com certeza você nunca precisou de um hospital público; por isso fez esse comentário nefasto! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.