• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Saldo » Confronto entre PM e manifestantes em Brasília termina com três presos

Agência Brasil

Publicação: 27/05/2014 21:18 Atualização:

No dia da exposição da taça da Copa do Mundo em Brasília, manifestantes e policiais militares entraram em confronto no centro da cidade. O Eixo Monumental, uma das principais vias da capital, ficou interditado no fim da tarde enquanto tropas da Polícia Militar (PM) dispersavam as milhares de pessoas com bombas de gás lacrimogêneo. Três manifestantes foram presos e pelo menos duas pessoas foram levadas ao Hospital Regional da Asa Norte com ferimentos leves. Um policial foi atingido por uma flecha, mas sem gravidade, de acordo com a PM.

O protesto teve a participação de povos indígenas, de integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e do Comitê Popular da Copa. O tumulto forçou o cancelamento do evento da Fifa, próximo ao Estádio Nacional de Brasília.

A manifestação começou pacífica, na Rodoviária do Plano Piloto. Os ativistas fizeram um julgamento popular do que apontam como violações de direitos humanos ocorridas na realização da Copa do Mundo. “É um julgamento fictício onde denunciamos o sentido dessa copa, que é fortalecer cada vez mais um Estado autoritário que não permite a participação popular e avança cada vez mais na desigualdade social e na repressão do povo”, disse Chico Carneiro, membro do Comitê Popular da Copa do Distrito Federal.

Em seguida, com o reforço dos povos indígenas, que ocuparam hoje (27) a marquise do Congresso Nacional, o grupo seguiu pelo Eixo Monumental rumo ao Estádio Nacional de Brasília, onde a taça da Copa estava sendo exibida. Nas proximidades da Torre de TV, a cerca de 700 metros da arena, policiais e manifestantes iniciaram o confronto.

A polícia atirava bombas de gás contra os manifestantes, que respondiam com pedradas. Índios respondiam às bombas com flechas. Thiago Ávila, também do Comitê Popular da Copa, reclamou da postura da polícia. “A polícia combinou com a gente que poderíamos nos aproximar do estádio. Então, formaram uma barreira com cavalos e impediram a gente de passar”.

Edson Francisco da Silva, coordenador do MTST, também criticou a reação da PM. “A atuação da polícia foi lamentável, porque nós nem chegamos perto e começaram a jogar bomba, a cavalaria foi pra cima.”

De acordo com o coronel Jaílson, comandante da PM na operação, o ato poderia ter avançado mais se não tivesse havido agressões contra policiais. “Um policial nosso foi atingido por uma flechada e outros por pedradas, foi isso de desencadeou o problema. (Se não tivessem agredido a polícia) Poderiam ter avançado mais, até próximo de onde estava a tropa, sem problema nenhum”.

O confronto teve início por volta das 17h e durou cerca de 40 minutos. Com a confusão, a visitação  à taça da Copa do Mundo foi suspensa.  “Retiramos a taça por segurança. Jamais permitiremos que o nosso país seja colocado em xeque junto à imprensa internacional”, disse o coronel.

Em nota, o Governo do Distrito Federal (GDF) aprovou a atuação da polícia. “A operação foi eficiente, já que protegeu o grande público, especialmente crianças, estudantes e idosos que estavam no evento de visitação à taça da Copa do Mundo”. O GDF explicou ainda que os policiais tiveram que conter a manifestação “no limite estabelecido para segurança dos visitantes que estavam na tenda onde estava a taça”.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.