• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

"Hepatite C tem cura" » ONG lança campanha sobre a necessidade de diagnosticar e combater a hepatite C

Agência Brasil

Publicação: 19/05/2014 18:09 Atualização:

Uma organização não governamental (ONG) que reúne pacientes com hepatite C, chamada C Tem Que Saber C Tem Que Curar, lançou hoje (19) a campanha "Hepatite C tem cura. Seja um campeão. Vença esse jogo". O objetivo é conscientizar turistas e brasileiros, durante a Copa do Mundo, sobre os riscos da doença, as formas de contágio e como diagnosticá-la precocemente. Serão distribuídas cartilhas informativas nas 12 cidades-sede da Copa.

Em todo o mundo, 170 milhões de pessoas vivem com hepatite C. No Brasil, o número chega a 3 milhões. Para evitar que mais pessoas contaminadas, é preciso cuidado. Segundo o médico e professor da Universidade de Medicina de Botucatu, Giovanni Faria Silva, essa é uma doença silenciosa, cuja evolução é pouco notada. O sintoma aparece quando a doença já se transformou em uma cirrose. "Nesse caso, o paciente pode apresentar água na barriga, ou ter sangramento das varizes do esófago. Pode ainda ter falência nos rins. A consequência disso é a morte porque o paciente não pode ser tratado com as drogas que temos ou com o transplante", explica.

Faria destaca que quem nasceu entre 1945 a 1965, nos Estados Unidos, tem mais chance de estar infectado. No Brasil, os riscos são maiores para aqueles que têm mais de 45 anos. Mas o médico recomenda que todos façam o teste, pois "é possível que pessoas acima dessa faixa etária tenham sido expostas a algum fator de risco transmissor da hepatite C, como o uso de seringas de vidro que era amplamente utilizada no Brasil". Como a doença é transmissível pelo sangue, pessoas que fizeram transfusões antes de 1993 devem ter cuidado redobrado, pois até então não eram feitos testes nos hemocentros.

Durante todo o dia de hoje, os funcionários do Tribunal de Justiça de São Paulo, onde foi lançada a campanha, puderam fazer testes rápidos gratuitos. A funcionária de Maria Aparecida de Souza, 55, disse que a rotina diária atrapalha os cuidados com a saúde, por isso aproveitou a campanha para se prevenir. "Nós somos um pouco relaxados com a saúde no dia a dia e muitas vezes nem sabemos se temos alguma doença. Por isso gosto de participar das campanhas".

A hepatite C tem cura, mas é preciso seguir uma série de etapas para obter sucesso. Quando se descobre a presença do vírus, segundo o médico, é preciso fazer um exame que mede a quantidade de fibroses. O tratamento deve ser bem monitorado. "Os pacientes podem ter vários efeitos colaterais e é preciso estar atento. O tratamento consiste em injeções subcutâneas semanais e comprimidos diários durante seis meses a um ano", aponta.

O escrevente Fernando Caldas, 32, resolveu fazer o teste porque seu pai morreu em decorrência da hepatite C há 15 anos e, até hoje, ele ainda não havia conferido o estado da própria saúde em relação à doença. "É muito importante porque quando a pessoa descobre que está infectada já é tarde demais, como foi o caso do meu pai, que morreu em nove meses".
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.