• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Juiz de Fora » Funcionária discriminada por causa da altura receberá indenização de R$ 50 mil Mulher afirmou ter sido vítima de constrangimento durante a rotina de trabalho depois de ter sido incluída no quadro de trabalhadores com deficiência física

Estado de Minas

Publicação: 06/05/2014 14:34 Atualização:

O Tribunal Regional do Trabalho de Juiz de Fora, Região da Mata, decidiu que uma mulher deverá receber indenização de R$ 50 mil por danos morais da empresa onde trabalha depois de sofrer discriminações por ser incluída no quadro de funcionários portadores de deficiência física devido a sua altura.

Segundo o processo, a reclamante foi contratada em março de 2009, para exercer a função de auxiliar operacional. Porém em 2011, a empresa convocou os funcionários para fazer uma avaliação médica, com o objetivo de preencher a quota de colaboradores com deficiência física. Na ocasião ela assinou um documento que atestava sua condição de portadora de nanismo, por ter 1,43m de altura.

Depois da avaliação, a funcionária teve fotos divulgadas em uma palestra realizada para realizada para os empregados da empresa, onde foi identificada como portadora de deficiência. Desde então, ela passou a sofrer diversos tipos de constrangimento no trabalho. A empresa, que é do ramo de alimentos, alegou durante o processo que lançou o projeto em parceria com uma empresa de inclusão e responsabilidade social, para se enquadrar dentro das obrigatoriedades da lei.

Uma testemunha relatou durante o julgamento, que a funcionária foi vítima de comentários e brincadeiras de mau gosto no ambiente de trabalho, após ele ser colocada entre os trabalhadores que possuem algum tipo de deficiência, e que a reclamante agia da mesma forma em todos os casos, abaixava a cabeça e saía do local. De acordo com o relator do caso, “a empresa violou os direitos de imagem e de intimidade a qualificação unilateral e indevida do trabalhador como pessoa ou necessidade especial”, disse.

Deste modo os julgadores decidiram manter a condenação ao pagamento de indenização por dano moral, considerando R$ 50 mil um valor razoável, tendo em vista os inúmeros casos de constrangimento vividos pela funcionária.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.