• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Controvérsias » Meias-verdades levantam dúvidas sobre investigação da morte do dançarino DG Informações erradas ou imprecisas levantam dúvidas sobre o trabalho de investigação da morte do dançarino DG. Para o governador do Rio, não se deve prejulgar os policiais envolvidos, mas é preciso apurar as responsabilidades

CorreioWeb

Publicação: 26/04/2014 11:56 Atualização:

Com a credibilidade das unidades de Polícia Pacificadora (UPP)s) em xeque, após várias controvérsias envolvendo a morte do dançarino Douglas Rafael da Silva Pereira, o DG, de 26 anos, o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, assegurou que as investigações sobre o caso serão feitas com “rigor e transparência”. O governador, entretanto, evitou responsabilizar os policiais militares envolvidos e, em nota, disse que é preciso aguardar o resultado das apurações da Polícia Civil para possam ser tomadas as medidas cabíveis. Ele esperava receber a mãe de DG, Maria de Fátima da Silva, no Palácio das laranjeiras, mas ela recusou o convite (leia ao lado).

A morte de DG, atingido por um tiro nas costas quando tentava fugir de PMs, está envolto de dúvidas. Inicialmente, a perícia preliminar informou que o dançarino morreu em decorrência de uma queda. Depois, já com a confirmação de que o rapaz tinha sido alvejado por uma bala, informou que não havia como identificar a causa da morte no local do crime. Ontem, porém, o jornal carioca Extra publicou uma foto de DG caído na escada de uma creche com uma perfuração bastante visível nas costas.

A informação inicial da perícia já tinha sido contestada pelo secretário estadual de Segurança Pública, José Mariano Beltrame. Segundo ele, foi uma declaração prematura. O laudo do exame de corpo de delito confirmou que o dançarino foi mesmo atingido pelas costas por uma bala. De acordo com o delegado Gustavo Ribeiro, a foto publicada pelo diário carioca mostra exatamente a posição em que o rapaz foi encontrado. Ele, porém, defendeu o perito que fez a primeira análise no local do crime. “Imagino que, no primeiro momento, a vítima tinha outras escoriações, e ele (o perito) não tenha tido condições de afirmar (a causa da morte)”, disse. Segundo o delegado, o laudo local não tem a função de determinar a causa da morte, mas a dinâmica. O corpo de Douglas foi encontrado na terça-feira, dentro de uma creche do Morro do Pavão-Pavãozinho, na Zona Sul da cidade.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.