• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Direitos Humanos » Relato de violência em prisão indígena é destaque em audiência pública da CNV

Agência Brasil

Publicação: 25/04/2014 21:09 Atualização:

O primeiro dia de depoimentos da 2ª audiência pública da Comissão Nacional da Verdade (CNV), em Dourados (MS), foi marcado por relatos de violência contra indígenas. Um dos mais fortes foi o de Bonifácio Reginaldo Duarte, índio guarani de 74 anos, preso na década de 60, no Reformatório Krenak, um centro de detenção de indígenas, que funcionava em Resplendor (MG), no território dos índios krenaks.

“Ele narrou coisas que existiam lá dentro, contou o processo de trabalho forçado, espancamento no tronco. Se não fizesse o trabalho todo, o índio ia para o tronco, onde algumas pessoas acabaram morrendo”, disse Marcelo Zelic, colaborador eventual do CNV e membro do grupo Tortura Nunca Mais.

Bonifácio contou ainda que pessoas que tentavam fugir do Reformatório Krenak eram levadas para uma ilha chamada Ilha das Cobras. Nesse local, com animais selvagens e carnívoros, os índios eram abandonados à própria sorte, e nunca mais eram vistos. Ele disse que o levaram para Minas Gerais com o argumento de que lhe ensinariam um ofício e, chegando lá, foi preso no Reformatório Krenak.

Integrante da CNV, a psicanalista Maria Rita Kehl, ressaltou a riqueza de detalhes dos depoimentos, sobretudo do índio guarani. “O depoimento do Bonifácio foi muito difícil. As posições que tinham que dormir, amarrados; pessoas que morreram, que não resistiram. Toda hora a gente fica com nó na garganta, embora os depoentes não sejam coitadinhos, são muito fortes”.

Maria Rita disse ainda que os relatos obtidos na audiência pública ajudam na qualidade e celeridade do trabalho da comissão. “É de grande proveito para mim, porque se tivesse que ir em cada aldeia para ouvir todos os casos não daria tempo”.

A audiência pública em Dourados continua amanhã (26), quando membros da CNV ouvirão mais três relatos de indígenas. Antes, porém, índios da aldeia Te’ýikue apresentarão uma orquestra de violões. O segundo, e último dia da audiência pública, começa às 7h30, no horário local.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.