• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Carreira prejudicada » Jovem envolvido no assassinato do índio Galdino é reprovado pela vida pregressa

CorreioWeb

Publicação: 25/04/2014 14:48 Atualização:

Um adolescente comete um ato infracional. Cumpre medida socioeducativa, e, a partir desse momento, a ficha dele fica completamente limpa. Mais: ele não poderá ser discriminado ou passar por qualquer tipo de preconceito pela infração. É o que prevê o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Leia mais sobre concuros no portal Admite-se


Entretanto, a reprovação de um dos envolvidos no assassinato do índio Galdino no concurso da Polícia Civil do DF, durante a fase de sindicância da vida pregressa e investigação social, abre o debate para a possível exclusão dele no certame pelo delito praticado há 17 anos, enquanto era adolescente. À época, ele cumpriu medida socioeducativa de quatro meses.

O nome de G. constava como aprovado em todas as fases do concurso público - iniciado no ano passado. Ele foi considerado apto depois de passar em provas objetivas, discursivas, de capacidade física e exames biométricos e psicológico. Na última relação, divulgada na tarde de ontem (24) pelo Centro de Seleção e de Promoção de Eventos (Cespe), ele não aparece mais como futuro agente da PCDF.  O resultado do julgamento final saiu depois de reportagem do Correio/Diario apontar a controvérsia sobre o ingresso de G. na carreira.

A Polícia Civil não detalhou se o crime em que ele teve participação, com outros quatro rapazes, foi levado em conta durante a análise para o ingresso dele na corporação. Mesmo reprovado nesta última fase, ele poderá recorrer à Justiça para tentar anular a decisão e ingressar na PCDF.

Advogado especialista em concursos públicos e diretor jurídico da Associação Nacional de Apoio e Proteção aos Concursos (Anpac), Leonardo de Carvalho acredita que G. conseguirá assumir o cargo. “Juridicamente, não vejo impedimento. Há uma série de jurisprudências favoráveis a ele. O próprio governo estimula que a iniciativa privada dê emprego a ex-condenados, e o Estado mesmo não vai dar? Quer dizer que eu posso oferecer esse trabalho e o Estado não?”, questiona o defensor. Na visão de Carvalho, desclassificar alguém por delito com pena já cumprida é ferir a lei. “Não existe punição perpétua. Depois que pagou pela pena, o indivídulo deve ser reintegrado à sociedade”, complementa.

As análises que tiraram G. da lista de aprovados são defendidas pelo jurista e especialista em direito penal Luiz Flávio Gomes, juiz aposentado. Ele ressalta a importância de ter avaliações de vida pregressa e social em concursos como o da polícia. “As regras dos editais já preveem esse tipo de investigação, que não é só de antecedentes criminais, mas de comportamento social. Tem gente que nunca cometeu um crime, mas não pode ocupar a área de segurança ou o cargo de juiz ou promotor pela vida que leva na sociedade”, detalha.

O ex-magistrado explica que, quando um adolescente comete um ato infracional e cumpre medida socioeducativa, fica sem qualquer antecedente. Diferentemente de um adulto, que, mesmo depois de ficar preso, ainda precisa de dois anos sem praticar qualquer delito para ter a certidão de nada consta. “Mas uma coisa é a lei, outra é o que o povo quer. E o povo quer vingança eterna, quer que seja punido eternamente. Aí teríamos que mudar a Constituição”, complementa Gomes.

O promotor de Justiça da Promotoria de Defesa da Infância e da Juventude do Ministério Público do DF e Territórios (MDFT) Pedro Oto de Quadros defende que, se uma infração cometida por um menor de idade for levada em consideração na vida adulta, há claramente um descaso do Estado com os direitos da criança e do adolescente.

“A administração pública e a Polícia Civil — que é órgão público — só podem fazer o que a lei determina. Antecedentes de um adolescente não podem ser levados em conta após o cumprimento da medida e da vida adulta”, garante. “Ele tem o direito de buscar o motivo de ter sido reprovado. Se for por conta da infração, isso é um absurdo”, acrescenta Oto. Mais uma vez, a reportagem tentou localizar G. ou algum advogado dele, mas não conseguiu contato.

Crueldade

Galdino Jesus dos Santos teve o corpo incendiado enquanto dormia em um ponto de ônibus na Entrequadra 703/704 Sul, em 20 de abril de 1997. G.N.A.J. era o único adolescente entre os cinco jovens que atearam fogo ao índio, que morreu aos 44 anos. À época, G. tinha 17 anos, Max Rogério Alves, 19, Tomas Oliveira Almeida, 18, Eron Chaves Oliveira, 19, Antônio Novély Vilanova, 19.

Os quatro jovens maiores de idade foram denunciados à Justiça por homicídio triplamente qualificado, com pena de 12 a 30 anos de prisão, por motivo fútil, sem chance de defesa à vítima e requintes de crueldade. O crime foi julgado em novembro de 2001. Eles foram condenados a 14 anos de prisão. G.N.A.J. cumpriu quatro meses de medida socioeducativa.

Ponto crítico


Há algum impedimento para alguém envolvido em assassinato assumir uma vaga na Polícia Civil?

SIM
» CIRO DE FREITAS


“Eu lamento muito a possibilidade de que ele possa ingressar nas fileiras da Polícia Civil do DF. A legislação o contempla, tanto que ele pode conseguir continuar no concurso por decisão judicial. No entanto, se ele, de fato, virar policial será muito observado e vigiado pelos colegas por conta do ato que ele praticou no passado. Isso é evidente. Será ruim para a corporação e para ele mesmo na condição de policial. Tem de ficar claro que o que ele fez, ainda que tenha sido quando adolescente, não foi uma coisa qualquer. Ele participou de um crime hediondo e isso ficou mais do que comprovado. Para virar policial civil, a pessoa precisaria ter um passado inteiro limpo, sem qualquer tipo de mácula ou nódoa, afinal, o cidadão não vai exercer uma atividade qualquer. Eu penso que a legislação tem que ser modificada quanto a isso. Mas a lei precisa mudar também em relação à maioridade penal, e que a pessoa possa, a partir de uma certa idade, ser penalizada na mesma proporção do ato praticado.” - Presidente do Sindicato dos Policiais Civis do DF (Sinpol)

NÃO
» LUIZ FLÁVIO GOMES


“Quando um menor de idade pratica um ato infracional e cumpre medida socioeducativa, não tem mais ficha, limpa ou suja. O adulto, dois anos depois de ter cumprido toda a pena, também consegue a ficha limpa. Eles são cidadãos, completamente regenerados, e têm que ser respeitados, sem discriminação em qualquer área. A investigação de vida pregressa e análise social para a entrada em concursos públicos são muito importantes, sim, desde que a análise não seja feita baseada em crimes que já foram pagos pelos infratores. Claro que não é qualquer pessoa que pode e deve assumir um cargo público. Isso está previsto nos editais. É preciso cumprir uma série de exigências, principalmente para funções como policial, juiz ou promotor. Mas a pessoa não pode ficar marcada por algo que fez há muitos anos e ser discriminada por isso.” - Luiz Flávio Gomes, jurista e especialista em direito penal

Opinião do internauta:

Viviane Martins

“Ok. E a investigação pregressa? Os editais permitem na ficha criminal crimes hediondos?”

Jesuino Joaquim de Souza

“Tudo é possível em um país sem lei... Aonde vai parar o Brasil?”

Francisco Gomes

“Acho que ele já pagou o que devia; no mais, o tempo e Deus vão lhe ensinar. Todos nós cometemos erros durante a nossa vida, todos os dias matamos pessoas com a nossa língua e também somos assassinos. Pense um pouco nos seus erros e depois fale do erro do outro.”

Lucio Centico

“Sem hipocrisia, ele seguiu as normas do edital, passou em todas as etapas e já cumpriu a pena imposta pela Justiça. Então, se foi aprovado, nada mais justo de assumir o que conquistou dentro das regras. O defeito do Brasil é não ter prisão perpétua e pena de morte, porque senão ele estaria enquadrado numa dessas duas penas.”

Lícia Oliveira

“Um absurdo! Ainda que tenha sido aprovado em todas as etapas, quantos outros ele não matará?”

Bárbara Maria

“Gente, ele cumpriu o que ele devia com a sociedade! Pagou e pronto! A lei do país de vocês prevê isso! Infelizmente!”

Dryelle Costa

“Agora vai poder queimar os outros amparado pela lei. Palmas lentas...”

Antonio de Sousa Ferreira

“Ele (G.) trabalhou comigo logo após sair do período de cumprimento da pena que recebeu. As pessoas estão muito equivocadas quanto ao rapaz. Ele trabalhou quase dois anos lá no meu orgão e teve conduta exemplar. Agora tem lutado para estar no bem. É estudioso e trabalhador. Ele teve o azar de ainda menor estar junto de alguns colegas que tiveram a ideia e fizeram a besteira.”

Pedro Pereira

“Quando se cumpre uma pena, aquela dívida com a sociedade foi paga! Não o defendo e não acho que ele deveria ser aceito na PCDF, mas investigação social só prevê se o candidato tem alguma coisa em aberto!”

Márcio Silva

“Esse crime ninguém vai esquecer, seu monstro! Parabéns para as leis brasileiras que não punem nem casos hediondos como esses.”

José Costa

“Este é um exemplo concreto que é preciso rever a maioridade penal. Se o jovem em razão da idade não cumpriu pena proporcional ao crime cometido, não é culpa sua. Mas da socidade hipócrita, que permite tal situação. Agora, legalmente, lhe deve proteção. Poderá inclusive, sem bom policial.”

Wilton Veloso

E a vida pregressa dele? Ele praticou um crime bárbaro, por motivo fútil , sabia muito bem o que estava fazendo e agora quer ser policial? Isso só acontece no Brasil.”

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.