• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Ceará » Obras da Copa deixam famílias desabrigadas próximas a portos marítimos

Leilane Menezes - Correio Braziliense

Helena Mader - Correio Braziliense

Publicação: 16/04/2014 07:41 Atualização:

Crianças brincam na comunidade Servluz, em Fortaleza: promessa de saneamento básico, água, sistema viário e iluminação nas novas 1.472 moradias a serem construídas Foto: Monique Renne/CB/DA Press	
 (Monique Renne/CB/DA Press)
Crianças brincam na comunidade Servluz, em Fortaleza: promessa de saneamento básico, água, sistema viário e iluminação nas novas 1.472 moradias a serem construídas Foto: Monique Renne/CB/DA Press

Uma casa com vista para o mar não é sinônimo de tranquilidade para mais de 2 mil famílias cearenses. Comunidades de baixa renda instalaram-se na região do Porto do Mucuripe e agora enfrentam o medo e as consequências de remoções em massa. Parte das famílias construiu as moradias de forma irregular. Os imóveis tornaram-se o empecilho do governo do Ceará para a reforma dos arredores do porto. As obras foram contempladas pelo pacote de recursos destinados à Copa do Mundo. Só o terminal marítimo consumiu R$ 202 milhões, alocados para a expansão da estrutura.

Outra obra que causa impacto na cidade é a construção do veículo leve sobre trilhos. Existem cerca de 20 bairros instalados na linha pela qual o VTL passará. A maioria foi removida, sob protestos e denúncias de uso de violência. Hoje, a série Cais do abandono relata a situação dos desabrigados na região do terminal marítimo de Fortaleza, uma das áreas mais impactadas pela remoção forçada de famílias, e o impacto dessas medidas na vida de crianças e adolescentes que viviam ao lado da região portuária.

A manhã em que máquinas da prefeitura demoliram os barracos das 400 famílias, no bairro Alto da Paz, é lembrada como “o dia do desespero”. A comunidade ergueu-se em cima de uma duna, com vista para o Porto do Mucuripe. Nesse terreno, será construído um conjunto habitacional, destinado a pessoas de baixa renda, com 1.472 moradias para a população das comunidades de duas outras áreas irregulares, Titanzinho e Servluz, com promessa de saneamento básico, água, sistema viário e iluminação.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.