• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Resultado da pesquisa » Após pesquisa, campanha contra estupro chega a 42 mil adesões na internet Portais internacionais de notícia deram destaque, na manhã de domingo, ao protesto virtual

Correio Braziliense

Publicação: 31/03/2014 09:05 Atualização:

O estudo que motivou a manifestação na internet apontou que 65,1% da população concorda total ou parcialmente que
O estudo que motivou a manifestação na internet apontou que 65,1% da população concorda total ou parcialmente que "mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas". Foto: Facebook/Reprodução

A campanha #eunãomerecoserestuprada, reação ao resultado da pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) que mostrou o quanto o Brasil ainda é machista, já conta com a adesão de mais de 42 mil usuários na internet. Em uma rede social, a página do evento tem 251 mil pessoas debatendo o tema. Portais internacionais de notícia deram destaque, na manhã de domingo, ao protesto virtual. O estudo que motivou a manifestação na internet apontou que 65,1% da população concorda total ou parcialmente que "mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas". Ontem, a atriz Alinne Moraes e a cantora de funk Valesca Popozuda aderiram à campanha pelas redes sociais.

No sábado, organizadores da campanha foram até a Delegacia da Mulher e denunciaram usuários que postaram ameaças na página do evento em uma rede social. Um investigador, especializado em crimes cibernéticos, já trabalha para tentar identificar os agressores. A estimativa é de que mais de 100 pessoas possam ser responsabilizadas pelas ameaças.

A jornalista Nana Queiroz, 28 anos, publicou na internet um texto com imagem de um dos agressores que segurava um cartaz com os dizeres "#eu já estuprei e estupro de novo". A Polícia Civil vai priorizar a identificação de quem postou ameaças diretas aos organizadores da campanha.

"Ficamos na delegacia de 15h às 19h. Se o Marco Civil da internet já tivesse sido aprovado, esses agressores seriam responsabilizados com muito mais agilidade. São centenas de pessoas. O delegado nos informou que todo o processo de identificação, caso a caso, pode demorar seis meses. Estamos encaminhando os mais chocantes", declarou Nana.

Alerta

Os organizadores estão orientando os usuários a copiar os posts com agressões e ameaças para facilitar o envio à Delegacia da Mulher."Mesmo que o perfil seja falso, os investigadores conseguem rastrear o ID da pessoa e podem prendê-la em seguida por incitação ao estupro, que é crime no Brasil. Se esse protesto servir para colocar um bando de estupradores potenciais atrás das grades, já somos vitoriosas", alerta a campanha.

"O delegado nos informou que todo o processo de identificação (dos autores de ameaças às organizadoras), caso a caso, pode demorar seis meses. Estamos encaminhando os mais chocantes", Nana Queiroz, organizadora do #eunãomereçoserestuprada

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.