• (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Pouso forçado » Habilidade de piloto foi fundamental para evitar tragédia em voo Petrolina/Brasília Comandante preferiu adotar medidas que minimizassem o nervosismo a bordo

Correio Braziliense

Publicação: 29/03/2014 10:08 Atualização: 29/03/2014 16:32

Foto: Daniel Ferreira/CB/D.A Press
Foto: Daniel Ferreira/CB/D.A Press
A obediência ao procedimento padrão em casos de pouso forçado foi essencial para que os passageiros e tripulantes do voo 6393, que saiu de Petrolina, no sertão de Pernambuco, com destino a Brasília, saíssem sem machucados mais graves. A opinião é de dois profissionais ouvidos pelo Correio. Segundo eles, a atitude calma do comandante Eduardo Verli, responsável pela aeronave da Avianca, e o copiloto, com o nome de guerra Maior, foi outro ponto fundamental. Os especialistas também explicaram como agem os tripulantes no momento em que ocorre esse tipo de emergência.

No contato com a torre, de acordo com o áudio obtido pelo Correio, o comandante fala, sem alteração na voz, todas as informações necessárias a fim de que o pessoal de terra tome as providências para o pouso forçado (veja transcrição de parte do diálogo). Sem pressa, ele voa por cerca de 20 minutos para queimar combustível e evitar um incêndio em caso de colisão mais forte. Claramente pensando no bem-estar dos passageiros, Verli diz à torre de comando que não vai seguir com um procedimento comum quando o trem de pouso trava. Nessa circunstância, o piloto faz um voo rasante em frente à torre para que os técnicos presentes vejam qual é o problema. "Não quero assustar os passageiros com uma passagem baixa", justifica Verli.

"Ouvi o diálogo dele com a torre, o piloto se mostrou muito tranquilo. Mostrou que sabia muito bem o que estava fazendo%u201D, observa Adriana Faccini, instrutora de emergência e ex-comissária. "O mais importante em momentos como esse é manter a calma para seguir todas as instruções que o manual passa. Qualquer coisa errada em situações assim, por pequena que seja, pode agravar o caso", confirma um piloto, que preferiu não ser identificado. Segundo esse profissional, o comandante do voo 6393 mostrou segurança e tranquilidade suficientes para que o pouso forçado fosse feito da maneira menos perigosa possível.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: zé carlos araújo
Parabéns comandante! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.