• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Estudo de comportamento » Jovens adotam, cada vez mais, comportamentos de risco, aponta pesquisa Os brasileiros jovens bebem muito, começam a fumar cada vez mais cedo e abusam dos entorpecentes. Muitos não usam camisinha

Étore Medeiros

Ana Pompeu - Correio Braziliense

Publicação: 27/03/2014 09:35 Atualização: 27/03/2014 15:24

Foto:  Zuleika de Souza/CB/D.A Press/Arquivo
Foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press/Arquivo

Uma juventude conectada, com amplo acesso a informações e a preservativos: o que poderia ser o caminho para uma vida sexual segura, contraditoriamente, acabou resultando em uma geração descuidada e inconsequente. Dados divulgados ontem pela pesquisa Comportamento de Risco entre Jovens Brasileiros revelam que um em cada três pessoas de 14 a 25 anos nunca ou quase nunca usa camisinha nas relações sexuais.

O estudo também confirma que, apesar de proibido, o consumo de álcool e tabaco por menores de 18 anos é comum: em média, a idade de iniciação nas drogas lícitas gira em torno de 15 anos. No caso das bebidas alcoólicas, entre os menores de idade que bebem com frequência, 43% abusam do consumo.

“Não uso, porque é melhor sem. Meus pais me dão preservativos, mas eu nem ando com eles na carteira”, admite Leonardo Alves, de 18 anos, que diz nunca ter usado uma camisinha. “Como não vivi uma situação mais tensa, não me preocupo”, admite, embora garanta que conhecia bem as parceiras sexuais.

A primeira vez que a estudante Patrícia Sousa experimentou bebida alcoólica foi aos 12 anos, com os pais. Há dois anos, intensificou o consumo e, hoje, com 18, bebe três vezes por semana. “Na maioria das vezes, volto para casa com amigos que conseguem dirigir melhor. Todas as vezes, eles conseguiram controlar o carro.”

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.