• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Águas » Comitê diz que interligação pode afetar abastecimento na bacia do Paraíba do Sul Nível cai para 14,9% e Cantareira passa por obras para retirada de volume morto. ANA estuda nova fonte de captação para o Sistema Cantareira

Agência Brasil

Publicação: 19/03/2014 23:18 Atualização:

O Comitê de Integração da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul (Ceivap) avalia que o projeto de interligação do Sistema Cantareira com a Bacia do Rio Paraíba do Sul pode afetar o abastecimento das 184 cidades que dependem do rio. Segundo o presidente do comitê, Danilo Vieira, o projeto apresentado hoje (19) pode afetar tanto a qualidade como a quantidade de água disponível na bacia.

Pela proposta, será construído canal entre as represas Atibainha, que faz parte do sistema que abastece a Grande São Paulo, e o reservatório Jaguari, um dos afluentes do Paraíba do Sul, que abastece o Rio de Janeiro. Será feito ainda um sistema de bombeamento de %u201Cmão dupla%u201D, assim, quando um dos reservatórios tiver excedente de água, o volume será enviado para a outra represa.

Para Vieira, o processo está ocorrendo de forma precipitada, devido à crise do Sistema Cantareira, que atingiu os piores níveis de armazenamento, desde a sua criação, na década de 1970. %u201CQuando existe a notícia de uma transposição, que na nossa opinião, não está pautada em um estudo técnico que nos dê confiança para adoção dessas medidas, ficamos preocupados com o que possa acontecer na frente%u201D, ressaltou o presidente do comitê.

Segundo ele, os dados do Ceivap são diferentes dos apresentados pelo governo de São Paulo. %u201CVale frisar que o estudo contratado pelo Ceivap tem alguns pontos divergentes do estudo apresentado por São Paulo, em termos de quantidade e qualidade de água%u201D, enfatizou. %u201C A nossa expectativa é que possamos discutir melhor essa questão. Termos, de fato, um diagnóstico preciso, um estudo técnico que traduza a realidade da bacia hidrográfica, para tomarmos uma medida correta e responsável para a solução dos problemas%u201D, acrescentou.

Vieira aponta que existe o problema do lançamento de esgotos, sem tratamento, nas águas da bacia. %u201CNa bacia, nós não temos nem 20% da população com tratamento adequado de esgoto. A gente sabe que quando tira água da bacia, piora a qualidade da água%u201D, disse contestando os argumentos apresentados pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, para defender o projeto.

A quantidade de água disponível também pode não ser suficiente para que o projeto seja viável, de acordo com o Ceivap. %u201CPelo estudo contratado pelo Ceivap, não existe disponibilidade hídrica suficiente para garantir o abastecimento público de todos os 184 municípios que dependem da bacia, mais as atividades envolvidas de geração e mineração e mais o abastecimento da região metropolitana de São Paulo%u201D, disse Vieira.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.