• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Rio de Janeiro » Socorro de mulher por policiais foi "totalmente equivocado", diz porta-voz da PM

Agência Brasil

Publicação: 17/03/2014 13:29 Atualização:

O socorro prestado por policiais militares a Cláudia da Silva Ferreira, baleada durante ação da polícia em comunidade da zona norte do Rio de Janeiro, foi um procedimento "totalmente equivocado", segundo o porta-voz da Polícia Militar (PM), coronel Cláudio Costa. Segundo ele, os três policiais agiram certo ao socorrer a vítima, mas erraram ao colocá-la no porta-malas do veículo.

“Se não tivesse outra opção e ela tivesse que ir na parte traseira [do veículo], que pelo menos tivesse um policial junto com ela, amparando a senhora Cláudia. O ideal, é claro, é que ela tivesse sido transportada no banco traseiro”, disse o militar.

Cláudia foi encontrada baleada pelos policiais no alto da favela, depois de um tiroteio. Dois subtenentes e um soldado do batalhão da PM de Rocha Miranda resolveram colocá-la no porta-malas do carro da polícia. No trajeto para o hospital, o porta-malas se abriu e ela foi projetada para fora do carro, sendo arrastada pelo veículo. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, a vítima já chegou morta ao Hospital Carlos Chagas.

O porta-voz defendeu a decisão dos policiais militares de tentar socorrer a mulher, dizendo que muitas vidas já foram salvas pelo atendimento da PM. Ele explicou que, como havia um confronto armado naquele momento, integrantes de equipes médicas que fossem socorrer a vítima poderiam ter as vidas colocadas em risco.

O porta-voz da PM disse que, após a conclusão do inquérito policial militar (IPM) aberto para investigar a conduta dos três, será instaurado um procedimento administrativo que poderá resultar na expulsão dos agentes.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.