• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Turbulência até o pontapé inicial » A 100 dias do Mundial, Confins preocupa organização do torneio Outras intervenções correm contra o tempo e algumas já foram abandonadas

Bruno Freitas - Estado de Minas

Publicação: 04/03/2014 08:32 Atualização:

Em reformas, terminal não ficará pronto para receber visitantes da Copa. Infraero já havia admitido que só concluiria 85% da estrutura, mas execução ainda não chegou a 50% (Cristina Horta/E.M/D.A Press)
Em reformas, terminal não ficará pronto para receber visitantes da Copa. Infraero já havia admitido que só concluiria 85% da estrutura, mas execução ainda não chegou a 50%
Segunda entre as 12 cidades-sede brasileiras a cumprir o prazo da Fifa para entrega de um estádio – o Mineirão, reinaugurado em 21 de dezembro de 2012, logo depois do Castelão, em Fortaleza –, Belo Horizonte terá menos da metade das intervenções, obras e medidas listadas inicialmente na matriz de responsabilidade da Copa’2014 concluídas a tempo do Mundial. A 100 dias do início do torneio, balanço mostra que das 24 ações assumidas pelos governos federal, estadual e municipal no documento que define a responsabilidade e os valores a serem investidos, 10 ficaram prontas ou serão finalizadas antes dos seis jogos do torneio programados a partir de 14 de junho para o Gigante da Pampulha. Considerado estratégico para receber os milhares de turistas que virão à capital, o aeroporto de Confins é o que mais preocupa: em junho estará operando parcialmente, uma vez que as três intervenções no terminal de passageiros, pista de pouso e pátio sequer chegaram à metade do índice de execução de obras, de acordo com a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). A situação é considerada delicada pela própria Secretaria de Estado Extraordinária para a Copa (Secopa-MG).

Do ponto de vista do estádio, mesmo com o cumprimento do cronograma há motivos para preocupação. O Consórcio Minas Arena promete nova vistoria no gramado do Mineirão, alagado sábado pela chuva, no jogo Cruzeiro 4 x 0 Minas, e reforço no fechamento da cobertura, para impedir que mais calhas se soltem. Mas há arenas em situações mais crítica: Itaquerão (SP) e Arena da Baixada (PR) correm contra o tempo para serem liberadas no prazo, em abril. Porém, a própria Fifa já admite a entrega do estádio paulista em maio, mesmo assim insuficientemente testado.

Em Belo Horizonte, das intervenções listadas como compromisso para receber o Mundial, apenas três já foram concluídas e outras sete têm entrega prometida a tempo de Brasil x Croácia, duelo de estreia do Mundial, em 12 de junho, em São Paulo. Faltando pouco mais de três meses para o pontapé inicial, estão para ser concluídos os três corredores do BRT, a Via 210 (ligação entre a via do Minério e a Avenida Tereza Cristina), a expansão da Central de Controle de Trânsito da BHTrans, a sinalização turística e as indicações de âmbito da Copa na capital.

Entretanto, outras intervenções sofreram atrasos e não ficarão prontas a tempo: as reformas e construção de terminais, pista e pátio de Confins, a faixa exclusiva para ônibus da Avenida Pedro II, a sinalização turística na Rota das Grutas de Lund e a acessibilidade de atrativos prioritários de Belo Horizonte. Quatro intervenções inicialmente previstas – entre elas a despoluição da Lagoa da Pampulha –, foram retiradas do documento, que na versão atual inclui ainda intervenções na área de telecomunicações.

Aeroporto improvisado

A obra considerada mais crítica e que poderá trazer maior desconforto para usuários é a ampliação do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na região metropolitana. Depois de a Infraero ter afirmado no início de janeiro ao Estado de Minas que não concluiria mais de 85% do previsto, as três obras em execução no principal terminal aéreo de Minas Gerais não alcançaram 50% de conclusão em fevereiro. Para receber a demanda extra de passageiros em junho, a Infraero planeja a operação “Escopo Copa”, em que apenas algumas partes do aeroporto estarão disponíveis ao turista, incluindo um terminal provisório de passageiros. Devem ser concluídas a reforma do saguão de embarque, nove novas pontes, oito elevadores, seis escadas rolantes, dois novos banheiros no saguão, novo terraço panorâmico com praça de alimentação,  além da ampliação das salas de embarque e desembarque internacional. Enquanto as obras se arrastam, passageiros sofrem com o desconforto, enfrentando até goteiras no terminal.

Apesar do atraso, a Infraero – que planeja uma demanda de 14 milhões de passageiros para o terminal em 2014 – considera que Confins “estará preparado para atender a Copa”. “É importante destacar que o aeroporto de Confins tem capacidade para 10,2 milhões de passageiros ao ano. Com a conclusão das obras referentes ao ‘Escopo da Copa’, ampliará sua capacidade em 1,5 milhão/ano. Além disso, com a conclusão da construção do Terminal 3 (prevista para março), aumentará sua capacidade em 5,3 milhões de passageiros/ano, totalizando 17,1 milhões”, acrescenta a empresa, em nota.

Por sua vez, o BRT, transporte rápido por ônibus batizado de Move e que estava inicialmente planejado para a Copa das Confederações, em junho do ano passado, terá menos de um mês de funcionamento no início do Mundial, com parte das 134 linhas do sistema entrando em operação a partir de maio, na terceira fase de implantação do corredor Antônio Carlos/Pedro I/Vilarinho. Ao comentar as obras do BRT em meados de fevereiro, o prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, minimizou atrasos, garantiu que o sistema estará em pleno funcionamento até maio e ressaltou que a capital mineira estará entre as sedes com mais avanços em mobilidade. Segundo ele, Belo Horizonte lidera a execução das obras desse tipo para a Copa do Mundo.

O secretário extraordinário para a Copa  da Prefeitura de BH, Camillo Fraga, está otimista com a situação da capital. “A cidade tem recebido a visita de representantes de vários países, como diplomatas, federações de futebol e imprensa, que têm dado um retorno muito positivo sobre a preparação. Isso reforça ainda mais a disposição de continuar trabalhando para que a cidade receba todos os visitantes de forma impecável.”


Ações da Copa para Minas, de acordo com a matriz de responsabilidade

O que já ficou pronto

Reforma do Mineirão (21 de dezembro de 2012)

Centro de Comando e Controle Regional (15 de março de 2013)

Ampliação do Bulevar Arrudas, entre as ruas Extrema e dos Carijós (junho de 2013)

O que será entregue a tempo

BRT Cristiano Machado (data prevista: 8 de março – 92% de execução)

BRT Região Central (8 de março – 94% de execução)

Via 210 – Ligação Via do Minério/Tereza Cristina (abril – 94,51% de execução)

BRT Antônio Carlos/Pedro I (abril – 70% de execução)

Expansão da Central de Controle de Trânsito da BHTrans (maio – 68,29% de execução)

Implantação da Sinalização Indicativa Turística em Belo Horizonte (maio)

Sinalização Turística no âmbito da Copa (maio)

O que ficará para depois


Conclusão da reforma e ampliação da pista e pátio do aeroporto de Confins

Conclusão da reforma e modernização do terminal de passageiros do aeroporto de Confins

Adequação dos centros de atendimento ao turista da Rota das Grutas
de Lund

Acessibilidade nos atrativos prioritários: terminal rodoviário, trajeto do Mineirão até a Igreja de São Francisco de Assis (igrejinha da Pampulha), Praça Dino Barbieri (Pampulha), Fundação Zoo-Botânica e Parque Municipal Américo Renné Giannetti

Faixa exclusiva para ônibus da Avenida Pedro II

Previsão inicial de custos da matriz:

R$ 2.660.863.420,87


Total contratado:

R$ 2.254.613.851,61


Total executado (pago):


R$ 1.103.918.431,13


Fontes: Prefeitura de Belo Horizonte, portais da transparência do governo federal e da Controladoria Geral da União (CGU)

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.