• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Goleiro condenado » Montes Claros quer colocar Bruno no gol e deve assinar contrato nesta sexta Time tenta viabilizar inscrição do goleiro, que precisará de autorização da Justiça para jogar

Luiz Ribeiro

Publicação: 28/02/2014 10:04 Atualização:

Condenado a 22 anos e 3 meses de prisão, ex-atleta está detido desde julho de 2010 foto: Marcelo Albert/TJMG  (Marcelo Albert/TJMG )
Condenado a 22 anos e 3 meses de prisão, ex-atleta está detido desde julho de 2010 foto: Marcelo Albert/TJMG

O Montes Claros Futebol Clube, time da cidade de mesmo nome do Norte de Minas, anunciou a contratação do goleiro Bruno Fernandes de Souza, preso pela morte de Eliza Samudio, e tenta viabilizar a inscrição do jogador na Federação Mineira de Futebol (FMF). Segundo o presidente da equipe, Vile Mocellin, o objetivo é registrar o contrato hoje, quando termina o prazo para a inscrição de jogadores para disputar a segunda fase do Campeonato Mineiro do Módulo II. O clube norte-mineiro é líder da Chave B da competição.

O advogado Tiago Lenoir Moreira, um dos defensores de Bruno, informou que ainda na manhã de hoje vai levar o contrato à Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, Grande BH, onde Bruno cumpre pena, para que o documento seja assinado pelo goleiro. Logo depois, a papelada será encaminhada à FMF. “O Montes Claros Futebol Clube está oferecendo uma oportunidade de trabalho ao Bruno. O trabalho é uma forma de ressocialização, por isso esperamos que o Poder Judiciário possa liberá-lo para que ele volte a jogar futebol e se reintegrar à sociedade”, argumentou o advogado. Lenoir irá acompanhado de um médico que vai fazer uma avaliação física de Bruno.O objetivo é provar perante a Justiça que ele tem condições de voltar a jogar futebol, visando a liberação de Bruno para atuar pelo time de Montes Claros.

Condenado a 22 anos e três meses de prisão pela morte de Eliza, Bruno está preso desde julho de 2010 em Contagem. “O que está sendo providenciado agora é apenas o registro na federação, por causa do prazo, que termina nesta sexta-feira. É uma medida preventiva. Se perdermos o prazo, não haverá como fazer a inscrição”, disse Mocellin, que no fim de janeiro havia confirmado o interesse do clube pelo goleiro, condenado pelos crimes de homicídio e ocultação de cadáver.

Segundo ele, o propósito do Montes Claros é contribuir para a recuperação de Bruno “como ser humano”. “Entendemos que qualquer pessoa pode errar e merece uma segunda chance na vida”, argumentou o presidente do Montes Claros, acrescentando que consultou os patrocinadores do clube e recebeu o aval deles para o que classificou como “ação social”.

Mocellin disse que, além do processo judicial de progressão de pena, do regime fechado para o semiaberto, para que Bruno possa jogar, será necessária providenciar na Confederação Brasileira de Futebol (CBF) a transferência do goleiro, da Federação de Futebol do Rio de Janeiro para a Federação Mineira. Porém, ele salientou que quem está providenciando toda a documentação é o advogado Tiago Lenoir. “O advogado do Bruno cuida de tudo. Eu apenas devo receber o contrato pronto para assinar”, declarou o dirigente.

Em 23 de janeiro os advogados de Bruno encaminharam ofício ao juiz da Vara de Execuções Criminais de Contagem solicitando a transferência do detento para o Presídio Regional de Montes Claros, depois de terem negado pedido de cumprimento de pena na Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac) de Nova Lima, na Grande BH. A defesa alega que, pelo regime de progressão de pena, Bruno estaria próximo de entrar no regime semiaberto. No entanto, ele pode ficar mais tempo no regime fechado por problemas de comportamento. O condenado teria se envolvido em tentativa de agressão na unidade, o que é negado por seus advogados.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.