• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Mobilização em todo o país » Policiais federais fazem paralisação de 24 horas em Belo Horizonte No Dia Internacional do Enfermo, policiais fazem encenação para mostrar que a corporação está "doente". Quem não tiver agendado o atendimento na PF corre risco de enfrentar filas

Cristiane Silva

Publicação: 11/02/2014 09:29 Atualização:

Boneco com curativos e soro fazer parte do ato público desta terça foto: SIMPEF-MG/Divulgação	 (SIMPEF-MG/Divulgação	)
Boneco com curativos e soro fazer parte do ato público desta terça foto: SIMPEF-MG/Divulgação

Policiais Federais de Belo Horizonte participam de uma paralisação de 24h nesta terça-feira. A mobilização acontece em todo o país. Agentes, escrivães e papiloscopistas vão manter o atendimento ao público em escala mínima. A prioridade será para as pessoas que têm serviços agendados, como emissão de passaporte e controle de estrangeiros. Todas devem ser atendidas. Assim, os outros usuários correm risco de enfrentar grandes filas. O Sindicato dos Policiais Federais no Estado de Minas Gerais (SINPEF-MG) recomenda que eles procurem atendimento a partir de quarta-feira. As investigações estão suspensas hoje.

O protesto desta quarta-feira terá como tema a Segurança Pública na UTI. “Hoje é o Dia Internacional do Enfermo. Em alusão, estamos colocando um boneco vestido com a roupa da Polícia Federal, entubado, com curativos. Estamos deixando claro que a Polícia Federal está doente, estamos na UTI. O governo está desvalorizando os policiais federais”, afirma o presidente do SINPEF-MG, Rodrigo Porto. Nesta manhã, a manifestação acontece na porta da Superintendência Regional da Polícia Federal, no Bairro Gutierrez. Às 14h, os policiais seguem para o Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, onde já acontece a panfletagem.

Os policiais federais denunciam que estão com os salários congelados há sete anos e ainda não conseguiram o reconhecimento legal de suas atribuições. As próximas paralisações estão marcadas para os dias 25 e 26 de fevereiro. Em dezembro, eles já haviam protestado contra o congelamento da carreira, alegando que estão sendo alvo de boicotes por causa de operações anticorrupção que, segundo o sindicato, abalaram o cenário político do país. Os policiais não descartam entrar em greve durante a Copa do Mundo de 2014, caso o governo federal não atenda às reivindicações.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.