Pernambuco.com



  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Carteiros » Correios fazem mutirão para entrega de encomendas no fim de semana Objetivo é minimizar efeitos da greve

Agência Brasil

Publicação: 08/02/2014 14:27 Atualização:

Funcionários da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) que não aderiram à greve, iniciada no dia 29 de janeiro, fazem mutirão neste fim de semana para normalizar a entrega de encomendas nos 13 estados em que os carteiros deflagraram o movimento.

A ação dos Correios é uma tentativa de minimizar eventuais prejuízos causados pela paralisação, embora a direção da empresa divulgue que apenas 5% dos funcionários aderiram à greve e sustente que todas as agências estão abertas e que todos os serviços estão disponíveis, exceto a entrega com hora marcada em algumas localidades.

De acordo com levantamento da empresa, a paralisação é mais significativa na área de distribuição, uma vez que dos 22.622 carteiros dos estados em greve, 5.662 (25%) não comparecem ao trabalho.

Brasília, por exemplo, não tem paralisação. Mas, como sede da ECT, vai centralizar todos os números dos mutirões regionais para divulgação na próxima segunda-feira (10) e registrar a realocação necessária de empregados entre áreas de distribuição de correspondências, com as respectivas horas extras.

Os grevistas reclamam que a mudança do Correio Saúde para o Postal Saúde, no mês passado, funcionários e aposentados passaram a arcar com despesas de exames laboratoriais e de consultas médicas. A reclamação é contestada pela empresa, que assegura haver “equívoco de interpretação pelo credenciado” e já determinou a devolução dos valores eventualmente cobrados.

Os trabalhadores dos Correios temem que a empresa deixe de ser a gestora do plano de saúde e entregue a administração do convênio médico à iniciativa privada, em descumprimento de norma do próprio Tribunal Superior do Trabalho, que definiu em julgamento de dissídio coletivo, no ano passado, que a ECT deve ser a própria gestora do plano.

A ECT sustenta, ao contrário, que “a greve é abusiva e afronta o Poder Judiciário ao tentar alterar fato já decidido pelo TST”. A dúvida só será dirimida com o julgamento da ação cautelar interposta pela ECT, mas ainda sem data definida para ser apreciada.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »