• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Faculdade de medicina » Polícia vai abrir mais dois inquéritos sobre quadrilha que fraudou vestibulares Candidatos que beneficiados pelo esquema serão investigados. Delegacia de Caratinga também vai apurar a origem e movimentação do dinheiro da organização criminosa que também agiu no Enem

Cristiane Silva

Publicação: 04/02/2014 11:15 Atualização:

Delegado Fernando Lima exibe um dos celulares apreendidos com envolvido em fraude do Enem 2013 foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press  (Paulo Filgueiras/EM/DA Press )
Delegado Fernando Lima exibe um dos celulares apreendidos com envolvido em fraude do Enem 2013 foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press

A Polícia Civil de Caratinga, no Vale do Rio Doce, vai abrir dois novos inquéritos para investigar a atuação da quadrilha que fraudava vestibulares de medicina em faculdades particulares em Minas Gerais e no Rio de Janeiro. O esquema veio à tona no final do ano passado e 36 pessoas foram indiciadas, sendo que 17 delas são estudantes beneficiados pelo golpe.

De acordo com o delegado Fernando Lima, responsável pelas investigações, a primeira investigação será sobre a origem do dinheiro que era usado pela quadrilha. As contas bancárias de alguns envolvidos foram bloqueadas e a polícia pretende aprofundar outras questões, como a da sonegação fiscal. “O segundo (inquérito) é para apurar de forma mais detalhada quem são as pessoas beneficiadas. Alguns já foram até denunciados. Como foi uma operação muito complexa, demanda uma apuração maior”, explica Lima.

A operação que resultou no esclarecimento da fraude foi denominada “Hemostase” em referência aos procedimentos nos processos cirúrgicos destinados a estancar hemorragia. Vinte e uma pessoas foram presas em 3 de dezembro.

Resultado de oito meses de trabalho, a investigação mostrou que o grupo montou uma engenharia que garantiria a entrada de quem pagasse pela vaga de duas maneiras. Na mais simples, o candidato a médico recebia o gabarito via celular ou ponto eletrônico, enquanto fazia a prova. Na mais sofisticada, bastava fazer o exame. Independente do resultado, a quadrilha atestava que a vaga estaria assegurada.

As investigações também concluíram que um dos membros da quadrilha comprou provas da edição de 2013 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de um fiscal e repassou os gabaritos aos candidatos, que pagavam até R$ 100 mil pelas informações. Celulares e pontos eletrônicos foram usados. Segundo o delegado Fernando Lima, os resultados foram encaminhados à Polícia Federal, que continua com as investigações para apurar a possível fraude no exame.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.