Pernambuco.com



  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Distrito Federal » Ministro da Justiça afirma que PMs não podem "pisotear" interesses públicos Cardozo teceu críticas a operação tartaruga, feita por policiais militares do DF

Correio Braziliense

Publicação: 03/02/2014 11:15 Atualização:

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, criticou nesta segunda-feira (3/2) a operação tartaruga realizada por parte dos policiais militares do Distrito Federal desde o fim do ano passado. Cardozo, que é do partido do governador Agnelo Queiroz (PT), disse que os interesses corporativos não podem “pisotear” sobre o interesse público e prejudicar a população. “Não há interesse corporativo, por mais legítimo que possa ser, que permita aos seus defensores pisotear sobre esse interesse público e fazer com que a sociedade sofra. Servidores públicos são servidores públicos e como tal não podem jamais perder a dimensão do seu papel”, afirmou, ao sair da sessão do Supremo Tribunal Federal (STF) que reabriu os trabalhos do Judiciário este ano.

De acordo com Cardozo, o policial tem de sabe conciliar a dimensão corporativa com o respeito à sociedade. “Acredito que o bom policial é aquele que, claro, defende a sua corporação, a sua instituição e aquilo que julga ser o seu direito, mas não deixa a sociedade sofrer com o comportamento de reinvindicação. A grande maioria dos policiais do país sabe conciliar a sua dimensão corporativa com o respeito à sociedade”, declarou.

Hoje, as associações de policiais e de bombeiros participantes da operação tartaruga devem ser notificadas oficialmente da decisão judicial que declarou a ilegalidade do movimento. Caso descumpram a ordem, passa a valer a aplicação da multa de R$ 100 mil por dia estipulada pela desembargadora Nilsoni Custódio, do Tribunal de Justiça do DF. O processo será distribuído para uma câmara cível de 2ª instância para análise de um desembargador e apresentação das partes. Caso as entidades recorram da liminar, o colegiado pode se reunir ainda nesta semana para julgar o mérito da ilegalidade da operação.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »