Pernambuco.com



  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Chacina de Unaí » Protesto em frente ao STF vai marcar os 10 anos da Chacina de Unaí Familiares dos servidores do Ministério do Trabalho mortos em 2004 ainda esperam o julgamento dos mandantes do crime

Maria Clara Prates -

Publicação: 28/01/2014 07:17 Atualização: 28/01/2014 09:30

Os auditores fiscais do trabalho morreram em emboscada durante fiscalização na zona rural de Unaí fotos: Carlos Vieira/CB/D.A Press 	 (Carlos Vieira/CB/D.A Press )
Os auditores fiscais do trabalho morreram em emboscada durante fiscalização na zona rural de Unaí fotos: Carlos Vieira/CB/D.A Press

Um ato de protesto, nesta terça-feira, em frente ao Supremo Tribunal Federal (STF) vai marcar os 10 anos da Chacina de Unaí, na qual três fiscais e um servidor do Ministério do Trabalho foram emboscados e mortos durante uma fiscalização em fazendas daquela cidade, sem que tenha sido marcado o julgamento dos mandantes do crime: o fazendeiro Norberto Mânica, conhecido como o Rei do Feijão, e seu irmão Antério Mânica, ex-prefeito da cidade, que administrou entre 2005 e 2012. Apenas 24 horas antes do julgamento de Norberto, em agosto passado, decisão liminar do ministro Marco Aurélio Mello suspendeu o julgamento do mandante, ao acatar pedido do réu para a transferência do júri popular da Justiça Federal em Belo Horizonte para a recém-criada sessão em Unaí, mesmo objetivo do seu irmão Antério. A Corte, no entanto, não julgou ainda o mérito do pedido.

Helba Soares da Silva, de 49 anos, viúva do auditor fiscal Nelson José da Silva, uma das vítimas da chacina, disse ontem que está “indignada” por ter de esperar uma década sem uma resposta efetiva para o assassinato do marido e de seus colegas auditores Erastótenes de Almeida Gonçalves e João Batista Lages, além do motorista Ailton Pereira de Oliveira. Elba e as viúvas Maria Inês Lina de Laia, de 47 anos, e Genir Geralda de Oliveira Lages, de 53 anos, já confirmaram presença no ato de repúdio que está sendo organizado pelo Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait).

A expectativa é que participem ainda do encontro o ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, parlamentares e representantes da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que aproveita a oportunidade para divulgar o tema da Campanha da Fraternidade de 2014, que será sobre o tráfico de pessoas. No ano passado, foram julgados e condenados a uma pena total de 226 anos apenas os pistoleiros Erinaldo Vasconcelos da Silva, Rogério Alan Rocha Rios e William Gomes de Miranda. Além dos mandantes, restam serem julgados o cerealista Hugo Alves Pimenta e José Alberto de Castro, acusados de intermediar a contratação dos pistoleiros. O processo foi extinto em relação a Francisco Elder Pinheiro, que morreu antes do julgamento.

Delação

A situação do fazendeiro Norberto Mânica ficou ainda mais complicada depois do julgamento dos pistoleiros. Erinaldo, condenado por ser o autor dos disparos contra o grupo de servidores do Ministério do Trabalho confessou que Norberto encomendou as mortes. Em troca da delação premiada, Erinaldo contou que recebeu R$ 50 mil de Norberto Mânica para matar apenas um dos fiscais, mas, como ele estava com colegas, a ordem do fazendeiro foi executar a todos.

Ele foi ainda mais longe. Disse que ficou preso quase um ano ao lado de Norberto e ele lhe ofereceu R$ 100 mil para que assumisse sozinho a responsabilidade pelas mortes. Diante da recusa, este valor teria subido para R$ 300 mil: uma carreta e o restante em dinheiro.

Em busca do mesmo benefício, o cerealista Hugo Pimenta também não exitou em envolver o ex-parceiro como responsável pelos crimes. Ouvido apenas como informante, ele contou que presenciou uma ligação de Norberto a um dos executores e completou: “Eu soube que o Norberto prometeu R$ 300 mil para o Erinaldo e R$ 200 mil para o Rogério, mas não sei se ele pagou”.

Condenados

» Erinaldo de Vasconcelos da Silva

76 anos de prisão e 20 dias

» Rogério Alan Rocha Rios

94 anos

» William Gomes de Miranda

56 anos

Crimes: Homicídio triplamente qualificado – por cada morte – e formação de quadrilha

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »