• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Universidades » Protesto no Rio pela federalização da Gama Filho é tranquilo

Agência Brasil

Publicação: 21/01/2014 22:01 Atualização:

A manifestação no centro do Rio em favor da federalização da Universidade Gama Filho e da UniverCidade, descredenciadas pelo Ministério da Educação (MEC), cresceu depois que começou a passeata na Candelária. Com uma hora, o ato de protesto tinha cerca de 500 participantes, segundo informações do 5º Batalhão da Polícia Militar (BPM), que teve um esquema de segurança montado com 50 policiais.

No carro de som, o estudante de engenharia da Gama Filho, Anderson Diniz pediu para os manifestantes evitarem confrontos, porque a manifestação era pacífica. “Não é porque erraram conosco em Brasília que vamos errar aqui no Rio de Janeiro. A gente viu que muita coisa reivindicada nas ruas nas manifestações perderam a força no momento em que perderam a razão e começaram a depredar a cidade. A gente sabe que muitas vezes há desproporcionalidade da força policial, mas a partir do momento em que a polícia não levanta a mão, não há porque a gente bater de frente”, disse.

Os manifestantes seguiram em passeata até a sede administrativa da prefeitura do Rio, na Cidade Nova. Próximo ao prédio do Comando Leste do Exército, os estudantes, professores e funcionários das instituições, que seguiam pela pista lateral da Avenida Presidente Vargas, a principal via do centro do Rio, passaram para a pista central, que ficou com o tráfego de veículos interrompido. Logo depois, a pista lateral foi liberada por agentes do Centro de Engenharia de Trânsito do Rio (CET-Rio), que orientavam motoristas no local.

Os integrantes do ato cobraram a todo momento uma decisão do governo federal em favor da federalização das duas universidades. Eles centraram os pedidos na presidenta Dilma Rousseff. “A nossa força e pressão mudam as decisões em Brasília”, disse o estudante de medicina João Paulo no alto do carro de som usado na manifestação para os integrantes mandarem recados e indicarem músicas e palavras de ordem a quem seguia em passeata.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.