• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Reação » Mais shoppings fechados por causa dos rolezinhos

Correio Braziliense

Publicação: 21/01/2014 09:51 Atualização: 21/01/2014 10:57

Portas fechadas no Rio Design Leblon: reforço na segurança do bairro para evitar tumultos (Gabriel de Paiva/Agência O Globo)
Portas fechadas no Rio Design Leblon: reforço na segurança do bairro para evitar tumultos

Depois de São Paulo, foi a vez do Rio de Janeiro ter shoppings fechados para evitar rolezinhos em suas dependências. Ontem, dois centros comerciais do Leblon, bairro nobre da Zona Sul carioca, interromperam as atividades por conta de encontros de jovens que estavam marcados para o local. A segurança na região acabou reforçada com vigilantes, guardas municipais com cães e policiais militares. A presença policial e a possibilidade de serem punidos com multa afastou os jovens também de um centro comercial paulista.

Os shoppings Leblon e Rio Design Leblon amanheceram sem abrir as portas ontem por conta do evento marcado para as 16h, por uma rede social. O bairro tem o metro quadrado mais caro da capital fluminense e os centros comerciais colocaram tapumes para evitar danos às lojas de produtos importados que tinham vitrines de vidro logo na entrada.

A juíza Isabella Peçanha Chagas, da 14ª Vara Cível do Rio de Janeiro, chegou a conceder uma liminar ao Shopping Leblon para proibir o rolezinho, sob multa de R$ 10 mil a cada pessoa que tentasse descumprir a ordem. Ainda assim, o estabelecimento preferiu “suspender suas atividades, com o intuito de garantir a integridade de seus clientes, lojistas e colaboradores”, como informou em nota. Cerca de 30 pessoas protestaram contra a decisão em frente ao local.

Também sob liminar, o Shopping Center Norte, na zona norte da capital paulista, abriu as portas, mas evitou que o rolezinho marcado para ontem ocorresse. Cerca de 10 jovens apareceram para o evento, mas foram abordados por seguranças que os alertaram sobre a multa que seria aplicada caso desobedecessem a ordem judicial.

Ao som do rap

No fim da tarde de sábado, em Niterói (RJ), o evento ganhou ares de protesto quando um grupo de 50 pessoas tomou os corredores de um shopping gritando palavras de ordem contra o preconceito e os gastos da Copa do Mundo. Outros cantavam o Rap da felicidade, que, apesar do nome, é um funk que fez sucesso nos anos 1990 e fala sobre a realidade de moradores da favela. Alguns participantes do evento tentaram entrar em lojas e foram impedidos por seguranças. Houve tumulto e o empreendimento foi fechado temporariamente.

Também no sábado, o Shopping JK Iguatemi, um dos mais luxuosos da capital paulista, fechou as portas para impedir que ocorresse um rolezinho em suas dependências. O evento, marcado pela União de Negros de Educação Popular para Negros e a Classe Trabalhadora (Uneafro) para combater o racismo, acabou ocorrendo apenas do lado de fora em forma de protesto.

Ontem, um participante do movimento divulgou vídeos e fotos provando que, apesar do anúncio de que o estabelecimento estaria fechado, frequentadores do shopping conseguiram entrar pelo estacionamento lateral e fizeram compras normalmente enquanto os manifestantes eram barrados na porta principal.

O grupo registrou ocorrência por racismo e constrangimento ilegal contra o centro comercial, que não apresentou liminar para a justificar a triagem. O JK Iguatemi divulgou nota garantindo que repudia “veementemente qualquer acusação de preconceito” e que “todas as pessoas, independentemente de cor, classe ou credo, são bem-vindas ao empreendimento”.

 

Ipanema

 

A segurança nas ruas de Ipanema, bairro da zona sul carioca, foi reforçada ontem para proteger os lojistas que decidiram abrir as portas. No sábado, traficantes ameaçaram os comerciantes que não fechassem seus estabelecimentos em luto pela morte do integrante de uma organização criminosa do Rio de Janeiro. Petrick Costa dos Santos, de 21 anos, conhecido como Cachorrão, reagiu à abordagem de agentes da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) das favelas de Pavão-Pavãozinho e Cantagalo e morreu após ser baleado na noite de sexta-feira.

A maioria das lojas do bairro ficou fechada no sábado sob a tensão de que houvesse tumulto ou tiroteio. Na sexta, após a morte de Petrick, moradores das comunidades atearam fogo a sacos de lixo e atiraram objetos em policiais durante protesto. Ontem, policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope) se posicionaram pelas ruas de Ipanema, mas muitos estabelecimentos permaneceram fechados.

 

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.