• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Investigação » Polícia apura se houve falhas no caso de menina que afogou em clube da capital Mariana Silva Rabelo de Oliveira, de 8 anos, foi sugada pelo ralou de uma piscina e ficou entre 3 e 5 minutos submersa. Ela morreu no hospital

Guilherme Paranaiba -

Publicação: 07/01/2014 09:11 Atualização:

Policiais civis estiveram ontem no Jaraguá Country Club para começar a investigar as causas do acidente que matou garota de 8 anos. Foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A. Press
Policiais civis estiveram ontem no Jaraguá Country Club para começar a investigar as causas do acidente que matou garota de 8 anos. Foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A. Press

Pelo menos sete pessoas devem ser ouvidas nesta semana no inquérito que investiga a causa morte de Mariana Silva Rabelo de Oliveira, de 8 anos, que sofreu acidente no Jaraguá Country Club, em Belo Horizonte, na sexta-feira. Na lista estão diretores do centro de lazer, salva-vidas, familiares e associados que participaram do resgate da menina. Ontem, duas equipes de policiais estiveram no clube, uma pela manhã e outra à tarde, para apurar as circunstâncias do acidente e a responsabilidade pelo afogamento. Apesar de integrantes da direção do estabelecimentos não terem sido encontrados, um fato novo foi revelado à polícia por funcionários. Segundo o delegado Thiago de Oliveira Souza Pacheco, da 3ª Delegacia de Venda Nova, Mariana ficou submersa na piscina entre 3 e 5 minutos e não 18 minutos, como havia sido cogitado.

O policial aguarda o laudo da perícia técnica feita no dia do afogamento para saber se houve falha de engenharia na piscina ou mecânica na bomba, que possa ter causado o acidente. "O laudo será fundamental para entender o que ocorreu e apurar quem são os responsáveis pelo acidente", disse. Um dos fatos a serem checados é se havia funcionários próximo à piscina para fazer a vigilância. "Ao lado do toboágua há uma placa com os dizeres: %u2018Crianças devem ser acompanhadas por adultos, por questões de segurança%u2019. Vamos saber se alguém fiscalizava. Aparentemente, a menina estava desacompanhada", afirmou Pacheco, que espera concluir o inquérito em 10 dias.

Na lista das testemunhas que prestarão depoimento está o policial civil Vinícius Magno Faedda, de 44 anos, cotista do clube há seis anos. Ele estava no Jaraguá com a mulher, um filho, um filha e uma sobrinha e contou que o acidente ocorreu por volta das 16h, quando a piscina estava cheia de crianças e adultos. "Um rapaz que aparentava ter entre 14 e 16 anos gritou pelo salva-vidas e minha mulher disse que alguém estava se afogando. Nadei até o cano, peguei a criança, tentei levantá-la e vi que estava travada pelo cabelo. Consegui puxar, mas os cabelos voltaram para o cano", informou.

Vinícius disse ainda que ele voltou à superfície, pediu uma faca e chamou novamente um salva-vidas. "Na segunda vez que mergulhei, o marido de uma médica foi junto. Puxamos a garota, os cabelos longos se soltaram e a levamos até a borda", lembrou. Segundo ele, os cabelos de Mariana ficaram presos no cano que leva água da piscina até o toboágua, na mesma parede onde está apoiado o escorregador do brinquedo. Uma peça de plástico, conhecida como joelho, posiciona o orifício do cano para baixo. Daí em diante, segundo ele, duas médicas que também são sócias do clube assumiram os primeiros socorros. "Quem estava no clube ficou em estado de choque, estarrecido e sem reação. Na hora eu pensei na minha filha, que tem a mesma idade da Mariana. Não estou conseguindo dormir direito. Espero que Deus abençoe a família", desabafou o policial.

Logo depois que as médicas tentaram reanimar Mariana por meio de respiração boca a boca e funcionários do clube chegaram, inclusive um salva-vidas e um enfermeiro. Um desfibrilador foi levado, mas testemunhas informaram que a falta de uma extensão teria impedido o uso do equipamento. A garota foi levada então para o ambulatório, onde o aparelho foi usado. Em seguida, ela foi socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para o Hospital Odilon Behrens, onde morreu durante a madrugada. (Com Valquiria Lopes) 

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.