Pernambuco.com



  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Maranhão » Criança queimada em ônibus morre. Polícia prende mais seis envolvidos

O Imparcial

Publicação: 06/01/2014 09:18 Atualização: 06/01/2014 10:26

Cidade tem sido alvo de protestos. Foto: O Imparcial/D.A. Press
Cidade tem sido alvo de protestos. Foto: O Imparcial/D.A. Press
A menina Ana Clara Santos Sousa, de 6 anos, que teve mais de 95% do corpo queimado dentro do ônibus durante o ataque da última sexta-seira, em São Luís, morreu na manhã desta segunda-feira (6). Após o ataque, Ana Clara foi internada no Socorrão II e depois foi transferida no último sábado para o Hospital Juvêncio Matos, mas não resistiu e veio a óbito.

Ana Clara, a mãe dela Juliane Carvalho Santos e a irmã Lorrane Beatriz Santos, de 1 ano e 5 meses, foram atacadas no ônibus da Vila Sarney quando criminosos atearam fogo com passageiros dentro do veículo. As outras duas continuam internadas.

Em resposta ao atos cometidos por criminosos em São Luís, no domingo, 10 envolvidos foram apresentados pelas Polícias Militar e Civil. Nesta segunda-feira, uma outra operação prendeu mais seis envolvidos. As prisões aconteceram pela madrugada no bairro do Maiobão. Mais de 40 policiais estiveram envolvidos na operação.

Apresentados os envolvidos nos ataques a ônibus e ao 9º DP em São Luís

O resultado das medidas imediatas adotadas de forma conjunta pelas Polícias Militar e Civil e pelo Corpo de Bombeiros em resposta aos crimes cometidos por grupos criminosos em São Luís foram detalhados pela cúpula da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP) em coletiva à imprensa, na manhã deste domingo (5), na sede da SSP (Outeiro da Cruz). Também foram apresentadas 10 pessoas detidas por participação nos ataques aos ônibus e ao 9º DP (Delegacia do bairro São Francisco), entre elas dois adolescentes apreendidos.

Na ocasião, o secretário de Estado de Segurança Pública, Aluísio Mendes, informou que a ação da polícia foi imediata, evitando que outros crimes fossem cometidos. Segundo ele, a ordem para que ônibus fossem incendiados e que delegacias e policiais fossem alvos dos bandidos, partiu de dentro do Complexo Penitenciário de Pedrinhas. A autorização foi dada pelo criminoso Jorge Henrique Amorim Matias, o “Dragão”, e recebida por Hilton Jhon Alves Araújo, o “Praguinha”, do lado de fora do presídio.

De acordo com Mendes, a Secretaria Adjunta de Inteligência da SSP descobriu o plano minutos antes do início da ação criminosa e conseguiu evitar que mais coletivos fossem queimados. “Nós reforçamos o policiamento na mesma hora, inclusive nos terminais de ônibus, e colocamos policiais dentro de alguns coletivos. Mas, a frota de ônibus em São Luís é muito grande e, por essa razão, não deu tempo de evitar o que aconteceu com os 3 ônibus, dois queimados totalmente e um parcialmente”, disse Aluísio Mendes, lembrando que também houve uma tentativa sem sucesso.

“O Estado está dando uma resposta efetiva, prendendo esses elementos e a polícia continua nas ruas para garantir tranquilidade à população. Precisamos unir esforços, haja vista que se trata de uma luta do bem contra o mal, mas é bom ressaltar que o bem está vencendo”, frisou o secretário de Estado de Segurança Pública, Aluísio Mendes, informando que há grupos criminosos semelhantes atuando em todos os estados do Brasil.

O secretário afirmou que os episódios serviram para mostrar o modus operandi dos grupos criminosos que agem em todo o Brasil. Crimes semelhantes já aconteceram em estados como São Paulo, Santa Catarina, Paraná e Rio de Janeiro, entre outros.

Aluisio Mendes informou, ainda, que em 2013, 85% dos homicídios no Maranhão foram relacionados ao tráfico de droga e que a comunicação de detentos de dentro para fora do presídio ainda é um problema que atinge todo o sistema prisional brasileiro, pois ainda não há tecnologia eficiente. Também participaram da coletiva, o comandante geral da Polícia Militar, Zanoni Porto; a delegada geral de Polícia Civil, Cristina Meneses; o comandante geral do Corpo de Bombeiros, João Vanderley Pereira; o subdelegado geral, Marcos Afonso Junior; os secretários adjuntos da SSP, Laércio Costa e coronel Antônio Roberto Silva.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »