Pernambuco.com



  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Ipea » Pobres e ricos têm opiniões diferentes em relação a investimentos Enquanto os mais carentes sonham com emprego e segurança, os mais favorecidos querem ética na política

Correio Braziliense

Publicação: 13/12/2013 07:06 Atualização:

Da varanda de seu barraco repleto de lama, na Estrutural, a catadora de material reciclável Ana Paula Barbosa dos Santos, 25, responde com desânimo à pergunta sobre o que poderia melhorar a vida dela. Mãe de três filhos e à espera do quarto, ela lida todos os dias com a falta de água limpa, o mau cheiro do aterro sanitário e as crianças fora da escola. Diante de “tantas faltas”, ela diz que mais segurança contra a violência é uma das prioridades para o “mundo” dela ser melhor.

Com quase a mesma idade de Ana Paula, a estudante da Universidade de Brasília (UnB) Daiana Nasário, 24 anos, tem outras prioridades. Cursando bacharelado em artes plásticas, a jovem acredita que os brasileiros precisam de políticos mais honestos e responsáveis.

As diferenças de opinião entre as duas jovens brasilienses de classes econômicas distintas refletem alguns dos resultados do estudo divulgado ontem pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O levantamento revela que, entre os mais pobres, as pessoas acreditam que trabalho, assistência aos desempregados e proteção contra a violência são essenciais para um Brasil melhor. Já os mais ricos priorizam liberdades políticas, proteção do meio ambiente e governos mais honestos.

Intitulado Sistema de Indicadores de Percepção Social (Sips) – Nossos Brasis: prioridades da população, o estudo foi a campo em agosto de 2013 e ouviu 3.819 pessoas em mais de 200 cidades do país. Cada entrevistado listou seis prioridades para sua família dentre 16 opções apresentadas aleatoriamente. O levantamento faz parte da pesquisa Meu Mundo (My World), das Nações Unidas, que define as prioridades da população mundial até 2015.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »