Notícias, Esporte, Pernambuco, Política, Tecnologia, Vídeos, Fotos, Mundo, Divirta-se

Pernambuco.com

Recife, 18/DEZ/2017
 
cheia

  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Saúde » Diabetes: gatos e cães também têm a doença Ficar atento aos sinais e seguir corretamente o tratamento é fundamental para garantir qualidade de vida ao animal com diabetes

Correio Braziliense

Publicação: 22/11/2017 08:44 Atualização:

foto: Pixabay/ArtPyle
foto: Pixabay/ArtPyle
A diabetes ocorre por uma falha na produção de insulina, um hormônio gerado no pâncreas que é responsável por processar a glicose que entra no sangue. A consequência é impossibilidade de o organismo processar, da forma certa, a glicose e outros compostos orgânicos presentes nos alimentos e necessários para garantir a reprodução saudável das células e a obtenção de energia.
 
Os cães, independentemente da raça, são suscetíveis à diabetes – sendo mais comum entre aqueles de meia idade, idosos e cadelas. Os gatos também estão sujeitos a desenvolver a doença. Entretanto, a sua incidência é maior entre os machos castrados.

A manifestação da diabetes em animais é bem parecida com a dos humanos e exige cuidados e tratamentos específicos. A doença é caracterizada por dois tipos:

Tipo 1: (dependente de insulina): ocorre quando o próprio organismo se responsabiliza por destruir os depósitos onde produz a insulina. Os cães apresentam, na maioria dos casos, esse tipo de diabetes
 
Tipo 2: O pâncreas consegue liberar insulina, mas o organismo resiste a ela, não permitindo ao hormônio exercer suas funções corretamente. Este é o tipo mais frequente nos gatos. O sintoma mais comum é a poliúria, ou excesso de urina, pois os rins não conseguem mais absorver a glicose, e o animal passa a urinar mais que o normal. Outra característica dos pets com diabetes é a maior ingestão de água e, em casos mais extremos, o animal pode apresentar muito cansaço e fadiga.

Para obter sucesso no tratamento, é imprescindível que o tutor compreenda suas responsabilidades. A terapia com uma insulina idêntica a insulina canina é recomendada e constitui um dos pilares do tratamento do diabetes, mas a dieta e o estilo de vida (incluindo exercício) também influenciam no controle glicêmico.

O tratamento da diabetes pode ser dividido em duas etapas:
Estabilização: É determinada a dose correta de insulina e uma rotina diária adequada para o animal de estimação.
Manutenção: O pet é monitorado regularmente para acompanhar a evolução da sua diabetes e determinar as mudanças necessárias em seus requisitos de insulina.

“A meta do tratamento da diabetes é minimizar os sinais clínicos da doença, o risco de hipoglicemia e o desenvolvimento de complicações em longo prazo”, afirma Daniela
Baccarin, médica veterinária, associada da Comac (Comissão de Animais de Companhia do SINDAN – Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal) e gerente de
Produtos da unidade Pet da MSD Saúde Animal.

Os sintomas associados à diabetes são diversos, mas o mais importante é observar qualquer alteração de comportamento do animal. Ao menor sinal de que algo vai errado, leve-o
imediatamente ao médico veterinário. Quanto mais cedo for o diagnóstico, mais chances de sucesso terá o tratamento.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.










SIGA

Facebook

Google+

Twitter

Rss