alimentação Qualidade e quantidade: Festival de Comida Ogra começa em abril Segunda edição do Festival tem duração de 15 dias e 20 restaurantes participantes

Por: Emília Prado

Publicado em: 31/03/2018 11:01 Atualizado em: 31/03/2018 12:19

Temakis gigantes, sanduíches com 330g de carne, onion rings, batata fritas, e sobremesas maiúsculas compõem dieta dos ogros. Foto: Aderval Jr/Divulgação (Foto: Aderval Jr/Divulgação)
Temakis gigantes, sanduíches com 330g de carne, onion rings, batata fritas, e sobremesas maiúsculas compõem dieta dos ogros. Foto: Aderval Jr/Divulgação


Um temaki gigante, que mede 50 centímetros, pesa um quilo e meio e serve três pessoas. A ideia do prato pode não parecer tão incomum, mas o espanto vem quando a descrição é de porção individual. Esta é a proposta do II Festival de Comida Ogra, que começa neste domingo e dura até o dia 15 de abril em restaurantes de Recife, Olinda e Jaboatão dos Guararapes. Um real de cada prato vendido durante o evento será doado para o Núcleo de Apoio à Criança com Câncer.

“Aquele prato que a pessoa fala um ‘tá danado’! É individual, mas tem cara de ser tamanho família”. É como André Luiz Vita, organizador do festival, descreve uma opção gastronômica de inclinações, digamos, neandertais. “O ogro não se incomoda muito com as misturas, com requinte. Claro que a comida tem que ser bonita, mas precisa satisfazer o apetite”.

A primeira edição surgiu a partir do gosto de André pelos programas norte-americanos em que os apresentadores provam versões extravagantes de diversas comidas ao redor do mundo. Antes proprietário de um food park, o empresário criou na época a “Segunda Ogra” como uma brincadeira e foi um sucesso. Após fechar o estabelecimento, André, que também é blogueiro de gastronomia, decidiu transformar a brincadeira em coisa séria, foi quando teve a ideia do festival.

O esquema pensado foi que cada restaurante ou food truck convidado prepararia uma receita de prato individual gigante especialmente para o evento. A partir do seu conhecimento das casas gastronômicas do Recife e região, e também por se considerar ogro, o idealizador convidou os nomes que acreditava terem o perfil da novidade. “Para mim, o cozinheiro tem que encarar como um desafio. A proposta não é aumentar a proporção de um prato já presente no cardápio, mas criar uma nova receita sem perder a identidade de prato para uma só pessoa”, explica André.

O temaki de 50 centímetros pode ser encontrado no Aika Sushi (Pina). Foto: Aderval Jr/Divulgação (Foto: Aderval Jr/Divulgação)
O temaki de 50 centímetros pode ser encontrado no Aika Sushi (Pina). Foto: Aderval Jr/Divulgação


No total, 20 marcas encararam o desafio de preparar um prato ogro. Hamburguerias são a maioria, mas há versões gigantes de cachorro-quente, sobremesas, temaki, pizza, quesadilhas, tortilhas, tapioca que pesa meio quilo e até um “open tudo” da confeitaria. Além de agradável aos olhos, o bolso também não pode pesar. Todos os pratos de ogro serão vendidos a preços promocionais nos dias de festival.

O temaki de 50 centímetros descrito no início do texto pode ser encontrado no Aika Sushi (Pina). O restaurante abriu há sete meses e tem como marca a gastronomia japonesa contemporânea. “Além das receitas tradicionais de sushi, trazemos novidades com pratos fritos, empanados ou maçaricados, que caíram no gosto do brasileiro”, descreve Perla Ribeiro, proprietária do local. “Já tínhamos um temaki gigante no cardápio e alguns clientes chegavam a comer, sozinhos, três unidades. Quando recebemos a proposta do festival, sabíamos que os clientes aceitariam o desafio, por isso topamos também”, conta.

O Super Temaki Fire, como foi batizado, é montado com uma manta de salmão maçaricada no formato de um temaki gigante, recheado com shari (arroz de sushi), cream cheese e tempurá de salmão ou camarão. Por fora, lascas de salmão grelhado. Durante os dias do festival o prato será vendido por R$ 69,90, depois se integra ao cardápio do restaurante e passa a custar R$ 89,90.

Não há dúvidas de que o hambúrguer é a estrela do festival e queridinho dos ogros. A rede curitibana Mr. Hoppy (Boa Viagem), recém-chegada ao Recife, participa pela primeira vez do festival. O cardápio da casa é enxuto, com seis opções do prato principal, dois petiscos (onion rings e batatas fritas) e uma sobremesa (mini churros). “Todos os hambúrgueres produzidos são gourmets e têm o diferencial das cervejas artesanais na receita, nacionais, internacionais ou de rótulos próprios da Mr. Hoppy”, explica Felipe de Lima, sócio-proprietário da rede, que abre a segunda casa na cidade durante o festival, no dia 7 de abril, no bairro das Graças, Zona Norte.

Até então, o maior prato da casa era um hambúrguer duplo. O Barbie Kill Fiona, criado para o Festival de Comida Ogra, supera com três hambúrgueres, totalizando 330g de carne no prato. Para compor a receita, maionese, queijo mozzarella, barbecue com cerveja stout, onion rings cobertos com creme de bacon e cebola crispy. Acompanha fritas com cheddar, bacon e barbecue. O prato custa R$ 29,90 e só ficará disponível nas duas semanas do festival.  

O hambúrguer é a estrela do festival e queridinho dos ogros. Foto: Aderval Jr/Divulgação (Foto: Aderval Jr/Divulgação)
O hambúrguer é a estrela do festival e queridinho dos ogros. Foto: Aderval Jr/Divulgação


Outra exclusividade da casa é a opção de proteína vegetariana. O hambúrguer sem carne é um blend de quinoa, lentilha, linhaça, gergelim e cenoura. Todos os pães são veganos e não contém glúten. O outro restaurante que preparou uma alternativa para os ogros vegetarianos foi o mexicano Escalante’s Tex Mex (Parnamirim), com tortilha gigante.

Para os ogros que reservam espaço para a sobremesa, a Thorpe’s Brigadeiria (Cidade Universitária e Espinheiro) participa pela segunda vez. No ano passado o prato criado foi a Taça Gula Suprema, feita com o brigadeiro africano, destaque da casa. Aproveitando o mote da gula como um dos sete pecados capitais, a rede vai lançar uma série com sete sobremesas geladas, sendo a estreia da segunda durante o festival deste ano. Athaíde Júnior, proprietário, conta que a criação da receita se deu a partir de sugestões dos clientes. “Alguns acham que a primeira taça tem muito chocolate, então fizemos uma sobremesa mais branca, com leite Ninho. Outro comentário que ouvimos foi sobre o sorvete, que acabava antes do resto da taça, também consertamos isso na nova receita”, detalha o dono.

A novidade doce é a Taça Delícia Soberba, feita com ganache de Ferrero Rocher, creme brülée, sorvete de creme misturado com pedaços de brownie de chocolate, que dão uma estrutura mais firme, assim o sorvete é saboreado até o fim. No topo: mousse de leite Ninho, geleia de morango artesanal, brigadeiro cremoso e amendoim. A taça tem 480ml, mas as camadas ultrapassam em 10cm o tamanho do copo e deixam a sobremesa com 30cm.

A abertura do Festival de Comida Ogra ocorre neste domingo, a partir das 15h, no estacionamento do Parque Santana. Doze barracas e food trucks estarão presentes apresentando seus pratos gigantes ao público. Além da comida, a organização promete competição com provas surpresa para os ogros que quiserem testar seus limites. A entrada é gratuita.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.