Notícias, Esporte, Pernambuco, Política, Tecnologia, Vídeos, Fotos, Mundo, Divirta-se

Pernambuco.com

Recife, 24/AGO/2017
 
cheia

  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Serra da Mantiqueira » Voos de balão e águas medicinais no oásis mineiro do café Município de São Lourenço, ao Sul de Minas Gerais, oferece passeios pelas lavouras de café e atrações para toda a família

Diogo Carvalho

Publicação: 12/08/2017 08:10 Atualização: 11/08/2017 18:45

No voo panorâmico, dá para conferir boa parte da Serra da Mantiqueira e do colorido dos cafezais. Foto: Diogo Carvalho/DP
No voo panorâmico, dá para conferir boa parte da Serra da Mantiqueira e do colorido dos cafezais. Foto: Diogo Carvalho/DP


São Lourenço de Minas - O Sul de Minas Gerais provavelmente deve despertar nos amantes do café o mesmo fascínio que o Vale do São Francisco (no Sertão pernambucano) nos admiradores do bom vinho. Assim como as plantações de uva por aqui, as lavouras de café na Serra da Mantiqueira têm se tornado um importante atrativo turístico da região já conhecida pelas fontes hidrotermais com propriedades medicinais, mas que agora chama atenção pelos grãos especiais que já são exportados mundo afora.  

Em Carmo de Minas, brota cerca de metade de todo o café cultivado no estado, o maior produtor nacional. Com as condições climáticas (a temperatura média é de 18 graus) e geológicas favoráveis, o fruto virou centro das atenções da Rota do café Especial, um passeio que começa nas fazendas - caminhar pelas lavouras, apreciar a plantação do alto dos mirantes e entender a cadeia produtiva - e termina em uma típica mesa mineira, com direito a muito pão de queijo e doces. Tudo, é claro, com direito à degustação do rei das xícaras do brasileiro. O tour custa R$ 100 por pessoa e pode ser reservado no site www.rotadocafeespecial.com.br .

Fotos: Ricardo Levenhagen/Nespresso
Fotos: Ricardo Levenhagen/Nespresso

Uma das principais paradas do passeio é a Fazenda Sertão, comandada pelo produtor Francisco Isidro Dias Pereira. O local é cercado por nascentes de águas, riachos e cachoeiras. Foi de lá que saiu o único grão brasileiro a ser eleito o melhor café do mundo, em 2005, com o prêmio Cup of Excellence. Com a maior pontuação da história até hoje, o lote foi negociado pelo valor recorde de US$ 6,5 mil (cerca de R$ 14,9 mil) a saca de 60 quilos. 

A casa principal da fazenda foi transformada numa espécie museu, onde o visitante confere outros títulos e premiações, além de fotos e reportagens que contam a tradição de mais de 100 anos e quatro gerações da família de Francisco Isidro com o negócio do café. "Levava uma vida simples, fazendo meu trabalho rotineiro. E, um belo dia, acordei sendo o produtor do melhor café do mundo", comenta orgulhoso. A propriedade conta com 851 hectares (o equivalente a 850 campos de futebol), sendo 250 deles só para o cultivo do café, responsável pelo emprego de 200 famílias de agricultores. 


"A beleza da rota está exatamente em conferir uma fazenda em plena atividade. Se alguém fizer o passeio cinco vezes ao ano, a paisagem nunca se repete", promete Adalberto Júnior, um dos idealizadores do Rota do café Especial. “Antes, tínhamos que viajar o mundo para vender nosso café. Hoje, o mundo vem até nós para comprar”. Prova disso é que a Seu Isidro, da Fazenda Sertão, é apenas um dos 112 produtores da região responsáveis por fornecer grãos especiais para blends e cápsulas da suíça Nespresso, potência mundial no ramo. 

A grife das maquininhas de café Nespresso acompanha a produção brasileira com seriedade. Pois garantir a uniformidade do sabor em larga escala não é tarefa para qualquer linha de produção. A fim de preservar os aromas do produto que embarca no Porto de Santos, em São Paulo, e segue para Roterdã, na Holanda, o processo começa ainda no campo. A multinacional mantém agrônomos acompanhando o manejo do solo e tratamento dispensado aos pés de café de mais de 2 mil fazendas que participam do programa de qualidade AAA, também nos estados de São Paulo e Espírito Santo. 



Balão 

O relevo montanhoso da Serra da Mantiqueira pode até ser um desafio para o plantio do café, mas acaba sendo mais um atrativo para os turistas. No período de colheita - de maio a setembro -, as elevadas colinas ganham um colorido especial dos frutinhos adocicados, que serão torrados em seguida. Além do bourbon amarelo, em Carmo de Minas são produzidos outros tipos do café da espécie arábica (de mais acidez, comuns em locais elevados), como o bourbon vermelho, mundo novo, catuaí vermelho e amarelo, acaiá e icatu. E a melhor maneira de conferir esse mix de tons é a bordo de um balão. São quatro desses gigantes cortando os céus da região e brindando os turistas com um nascer do sol incrível da Serra.

O passeio pelos ares custa R$ 400 (por pessoa, com café da manhã incluso), dura pouco mais de uma hora e é organizado pela Federação de Balonismo de Minas Gerais. Informações pelos telefones (35) 99187-1609 ou (35) 99851-5857. A partida é de São Lourenço, cidade vizinha a Carmo de Minas e segundo maior polo hoteleiro do estado (atrás apenas de Belo Horizonte), que deve ser usado como base para quem visita as lavouras.

O município é um dos que integra o Circuito das Águas Raras, com fontes hidrotermais de funções terapêuticas ou relaxantes, que eram muito procuradas pela elite brasileira nos séculos passados. A própria princesa Isabel foi para a região em 1868, conseguindo êxito num tratamento para infertilidade. As águas ferruginosas a teriam curado de uma anemia e, coincidência ou não, ela engravidou logo em seguida. Muitos fazendeiros afirmam que é também essa água a responsável pelo sucesso do café.

Confira o vídeo do voo de balão:

Voo de balão na Serra da Mantiqueira, Minas Gerais from Marcela Cintra on Vimeo.



Outras atrações de São Lourenço


Parque das Águas
Localizado no centro da cidade, recebe quase 400 mil turistas por ano e conta com nove fontes de águas minerais, ricas em ferro, magnésio, potássio, sódio e lítio - cada uma indicada para um tratamento específico, que vai de doenças dermatológicas, hepáticas, diabetes e até depressão. Dá para provar tudo lá ou colocar numa garrafinha e levar para casa. É da Fonte Oriente que se origina a água naturalmente gasosa engarrafada e vendida pela Nestlé, empresa que administra o local. A entrada custa R$ 7 e lá dentro há um Spa com serviços cobrados à parte.



Trem das Águas
Tracionado por uma autêntica locomotiva a vapor da década de 1920, o trem é formado por oito carros de passageiros e faz um passeio de 20 quilômetros (ida e volta), entre São Lourenço e Soledade de Minas (onde é feita uma parada de 40 minutos). Os ingressos custam entre R$ 60 (classe turística) e R$ 80 (especial - com bancos estofados e degustação de produtos locais, como queijos, doces e cachaças). Durante o trajeto de duas horas, violeiros apresentam canções regionais populares. A Maria Fumaça foi utilizada em novelas de época da Globo, como Chocolate com pimenta. Reservas devem ser feitas pelo telefone (35) 3332-3011.



Teleférico
Com 600 metros de extensão, o teleférico de São Lourenço corta a cidade e atravessa o Rio Verde até um mirante (a 150 metros de altura) com uma bela vista da Serra da Mantiqueira e do Parque das Águas. Cada trecho do percurso leva cerca de 6 minutos e o ingresso custa R$ 20, por pessoa. Na estação, bares e lojinhas com artesanato e guloseimas típicas, além de condutores de charretes que oferecem passeios pela cidade. Em Caxambu, município a 25 minutos de São Lourenço, há outro teleférico, com uma estátua de Cristo no topo. 


Como chegar
São Lourenço conta com um pequeno aeroporto, mas que não recebe voos comerciais. As melhores maneira de chegar são pegar estrada a partir do Rio de Janeiro (tempo estimado de três horas e meia) ou de São Paulo (quatro horas), passando por cidades turísticas, como Aparecida.

*O jornalista viajou a convite da Nespresso.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.










SIGA

Facebook

Google+

Twitter

Rss