Notícias, Esporte, Pernambuco, Política, Tecnologia, Vídeos, Fotos, Mundo, Divirta-se

Pernambuco.com

Recife, 27/JUN/2017
 
cheia

  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Folia » Carnaval ganha estilo e ritmo próprios em cada região do Brasil A animação dos blocos de rua, que toma conta de várias cidades no país e no mundo, não fica limitada a um único dia

Iana Caramori - Especial para o Correio - Correio Braziliense

Publicação: 01/02/2017 09:52 Atualização: 30/01/2017 16:07

Mais do que os desfiles das escolas de samba, o Rio de Janeiro ferve por causa dos blocos de rua. Foto: Hudson Pontes/RioTur
Mais do que os desfiles das escolas de samba, o Rio de Janeiro ferve por causa dos blocos de rua. Foto: Hudson Pontes/RioTur

Carnaval é sinônimo de folia não só para os brasileiros, mas para os estrangeiros também. A data é tão famosa que chega a ser um dos maiores estereótipos do país. Quem já esbarrou com algum gringo e disse ser brasileiro, provavelmente escutou alguma pergunta sobre as festas que tomam conta do Brasil nessa época do ano — e palavras como Pelé e Ronaldo.

Muitos curtem o feriado em festas e blocos de rua, mas já parou para pensar sobre a origem? A comemoração nasceu há muitos anos, bem longe do Brasil — Mesopotâmia, Grécia, Roma. Desde a antiguidade, essas celebrações se dirigiam às colheitas e às divindades — muito diferente do que ocorre hoje. Acredita-se que a palavra carnaval vem do latim carnis levale, ou seja, retirar a carne. Antes pagãs, tais festividades foram incorporadas pela Igreja Católica para marcar o início das restrições da Quaresma, período em que os cristãos não comem carne.

A data adquiriu novas formas de ser celebrada e hoje, para muitos, tem o significado de muita folia. Os blocos de rua são apenas uma das maneiras de aproveitar o feriadão. Com origem no Rio de Janeiro do fim do século 19 — com os cordões, ranchos e marchinhas —, as celebrações no asfalto passaram a atrair cada vez mais foliões.

Tamara (segunda, da esquerda para a direita) curtiu a festa na Cidade Maravilhosa em 2014 e vai voltar este ano. Foto: I Hate Flash/Reprodução
Tamara (segunda, da esquerda para a direita) curtiu a festa na Cidade Maravilhosa em 2014 e vai voltar este ano. Foto: I Hate Flash/Reprodução

Hoje, um dos carnavais mais tradicionais ainda é o da Cidade Maravilhosa. É lá que Tamara Montijo, 23 anos, vai passar a data com os amigos. Mas não é a primeira vez que a analista de marketing escolhe esse destino para curtir a folia. “Já passei carnaval lá em 2014. Foi muito bom, não tivemos nenhum imprevisto em relação à violência e, em geral, o pessoal é bem animado.” Tamara e um grupo de amigos começaram a planejar a viagem em agosto de 2016 e em novembro decidiram todos os detalhes. “Nós alugamos um apartamento por um site e já compramos as passagens.” A ideia dos brasilienses é aproveitar os programas gratuitos. “Estamos querendo gastar pouco com festas (pagas) e aproveitar os bloquinhos de rua.”

Assim como Tamara, muitos foliões optam por economizar e curtir as animadas festas de rua. O Turismo selecionou alguns  bloquinhos que vão animar o carnaval deste ano, que tem início marcado para 28 de fevereiro.

» Santa Teresa
Céu na Terra
Quando: segunda-feira de carnaval, às 16h
Concentração: Rua Dias de Barros

Bloco das Carmelitas
Quando: sexta-feira de carnaval, às 18h, e terça-feira, às 17h
Concentração: esquina da rua Dias de Barros e Ladeira de Santa Teresa

» Ipanema
Banda de Ipanema
Quando: sábado de carnaval e o que o antecede, às 17h
Concentração: Praça General Osório

» Copacabana
Monobloco
Quando: domingo depois do carnaval, às 9h
Concentração: Avenida Atlântica

» Centro
Cordão do Bola Preta
Quando: sábado de carnaval, às 16h
Concentração: Rua Sacadura Cabral

No ritmo das ruas
Apesar de ser um dos destinos mais famosos do carnaval, o Rio de Janeiro não é o único lugar onde os foliões podem curtir a data. Manaus também tem tradições para o feriado. Além de desfiles de escola de samba e de fantasias, acontece o Carnaboi, mistura do carnaval com o Festival Folclórico de Parintins. Nas noites de segunda e terça-feira, é possível curtir bandas das associações folclóricas ligadas às apresentações dos bois Garantido e Caprichoso. A maior diferença em relação ao festival é que, em fevereiro, não ocorre a tradicional disputa entre as duas figuras. Os foliões também podem curtir, no ritmo da toada, atrás dos trios elétricos — basta vestir o tururi, roupa semelhante aos abadás.

Descubra mais sobre outras cidades que têm blocos de rua liberados para os que quiserem se juntar à folia — para aliviar o orçamento das festas pagas. Com tantos ritmos, vai ser difícil escolher só um lugar para curtir esse feriado.

Diamantina, Minas Gerais
Foto: Beto Magalhães/EM
Foto: Beto Magalhães/EM

Durante os dias de festa, as ruas de pedra e de casarões antigos são tomadas por foliões e diversas atrações. A cidade mineira, que atrai turistas o ano inteiro por conta da sua herança histórica e cultural, ganha outros ares. São mais de 10 blocos de rua tradicionais, como Bat-Caverna e Bartucada — dois dos mais esperados.

Florianópolis, Santa Catarina
Foto: J.L. Cibils/Divulgação
Foto: J.L. Cibils/Divulgação

Além do desfile das 17 escolas de samba da capital de Santa Catarina, os turistas podem participar dos blocos de rua, como o Berbigão do Boca. A festa é uma das mais famosas da cidade e abre, oficialmente, as folias de carnaval. Muitos outros blocos correm por Florianópolis: Bom te Ver, Bloquete, Calma Beth, Sirizinha, entre outros. Não vai dar tempo de ninguém ficar parado.

Salvador, Bahia
Famosa pelos circuitos e folias pagas, Salvador também tem grupos de rua gratuitos para animar a festa, os chamados de blocos sem corda. A pipoca conta com muitas atrações, como o Carnaval no Pelourinho, o Circuito Sérgio Bezerra, Mestre Bimba, Beco das Cores, entre outros. Veja no site todas as atrações.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.










SIGA

Facebook

Google+

Twitter

Rss